Saltar para o conteúdo principal Saltar para o menu
 
 

Lista de textos do jornal de hoje Navegue por editoria

Esporte

  • Tamanho da Letra  
  • Comunicar Erros  
  • Imprimir  

Juca Kfouri

Cartolas E.C. x Bom Senso F.C.

Tudo se resume a saber quem vencerá a luta entre a melhoria do espetáculo e a ganância despudorada

A QUESTÃO é simples, embora a solução seja complicada: ou o calendário nacional se adapta ao calendário mundial ou o calendário mundial se adapta ao calendário nacional.

O melhor dos mundos para nós, brasileiros, seria a segunda alternativa, porque ficaria como estamos acostumados e de acordo com as estações do ano do patropi.

Difícil, para não dizer impossível, por maior que fosse o poder de persuasão da CBF, convencer as associações de futebol e ligas de clubes da Argentina, do Uruguai, do México, da Alemanha, da Inglaterra, da Espanha, da Itália, da França.

Porque quase tudo o mais na polêmica outra vez travada pela ação dos atletas respaldados por alguns dos grandes técnicos do Brasil ou é mera desonestidade intelectual, ignorância, preconceito ou burrice mesmo, coquetel indigesto para quem se disponha a debater seriamente.

Nestas horas sempre aparecem os que generalizam para o universo do futebol a ínfima minoria de popstars e seus carrões. Ou os que argumentam que são capazes de jogar uma pelada ao meio-dia e outra às três da tarde em pleno verão. Não faltam os que confundem tenistas com jogadores de futebol, nem os indignados com as reivindicações dos atletas diante da miséria vivida pelos professores e pedreiros.

Como se nada os distinguisse, não houvesse as especificidades se cada ofício, as exigências de talento e espetáculo, o trabalho solitário e o exposto para milhões, bilhões de espectadores.

E têm os cartolas, além dos executivos que compram os direitos de transmissão, que só pensam naquilo, nos ovos de ouro da galinha que vão exaurindo aos poucos, seja por baixo dos tapetes verdes, seja por meio de bônus milionários.

Dane-se se os estádios estão vazios, se as audiências são decrescentes, se o Brasil é mero exportador de pé de obra, se a cada dia, literalmente a cada dia, a banalização produz espetáculos menos espetaculares.

Faz tempo que passou a hora de mudar, mas antes tarde que nunca e está aí o Bom Senso F.C. para reavivar a esperança de que, com pés no chão, sem bravatas, e sem ouvir agora a voz dos demagogos que radicalizam para manter suas boquinhas na falida vida sindical nada representativa, o futebol brasileiro mude na direção de ter seu gol como o basquete americano teve na NBA.

Se a CBF preferir o confronto, paciência.

Entre os líderes do movimento, sem nenhum black bloc, nem deslumbrado, parece haver quem possa esticar a corda até onde for necessário para, enfim, ganhar uma queda de braço que há décadas é vencida pela corrupção e ganância sem pudor, à custa da saúde dos atletas.

Ainda bem, também, que o governo federal, mesmo que ainda timidamente, dá sinais de estar atento à questão.

Fala, Felipão!


Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página