Saltar para o conteúdo principal Saltar para o menu
 
 

Lista de textos do jornal de hoje Navegue por editoria

Esporte

  • Tamanho da Letra  
  • Comunicar Erros  
  • Imprimir  

Juca Kfouri

E viva a Série B!

Tudo na vida é questão de ponto de vista. A segunda divisão, por exemplo, pode ser uma alegria

TODOS FOGEM da Série B, coisa que o São Paulo já conseguiu com sobras, mas que ainda preocupa o Corinthians e tira o sono tanto da Lusa quanto da Ponte Preta, mais dos campineiros que dos lusitanos.

Para os atuais campeões mundiais de clubes --em vias de ensinar a má lição de que com 19 (já tem 15!) empates, a metade dos jogos no Brasileirão, é possível não cair-- a volta à Série B soaria, soará (?) como uma catástrofe inimiginável.

Inaugurar sua casa para receber visitantes menos nobres derrubaria todos os projetos.

Já para a Lusa e para a Ponte seria, será (?), apenas mais um tropeço na vida de quem vive de altos e baixos, mais baixos que altos.

O São Paulo e o Santos não fazem a menor ideia do que seja isso --ou melhor, por apenas fazerem uma pálida ideia do que poderia ser, sempre trataram de fugir a tempo do pesadelo.

E o Palmeiras, bem, o Palmeiras sabe em dobro e é melhor não esquecer.

Ver um Fla-Flu com o campeão brasileiro enlouquecido para não ser o primeiro a cair no ano seguinte à conquista dá a medida do drama.

Mas vá explicar isso, por exemplo, para os torcedores do Santa Cruz, que acaba de voltar à segunda divisão depois de uma vitória dramática sobre o mineiro Betim, por 2 a 1, no Mundão do Arruda com 60 mil torcedores.

Mal tratado por sucessivas gestões criminosas, o Santinha festejará seu centenário na Série B, quem sabe até com a volta à primeira.

Um amigo torcedor do tricolor pernambucano um dia me disse que seu sonho era ver o Santinha sempre como campeão da segundona, mas sem subir de divisão. Porque preferia ser cabeça de formiga que rabo de elefante.

Dá perfeitamente para entender o sonho impossível, fruto das gestões nacional e estadual falidas de nosso futebol, incapazes de aproveitar o potencial que paixões como a dedicada ao Santa Cruz proporcionam.

Prova disso é que apenas uma vez, para valer, em mais de 40 décadas de Campeonato Brasileiro, um time do nordeste, o Bahia, foi campeão. Mesmo assim, no sistema de mata-mata, porque com pontos corridos parece impossível.

É claro que as disparidades da riqueza regional explicam o fato, um fenômeno mundial, embora o Napoli, do sul da Itália, seja a exceção para confirmar a regra, ainda mais porque tinha Diego Maradona --numa época em que ainda era possível um clube mais pobre ter o melhor do mundo.

Ao ver, comovido, a festa do Santinha, que nem sequer ainda ganhou a Série C, apenas garantiu uma das quatro vagas na B, com o gol da vitória do amuleto Flávio Caça-Rato, bateu uma saudade romântica de outros tempos.

Tempos que gestões competentes poderiam manter vivos.

DIREITA, VOU VER!

Graaaaande Antonio Prata!!!

Não entendeu?

Pois leia a coluna dele de ontem, nesta Folha.


Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página