Saltar para o conteúdo principal Saltar para o menu
 
 

Lista de textos do jornal de hoje Navegue por editoria

Esporte

  • Tamanho da Letra  
  • Comunicar Erros  
  • Imprimir  

Juca Kfouri

Se arrependimento matasse...

O melhor jogo corintiano neste ano tem sido o de cena. Como se Mano não estivesse contratado

TITE ESTARIA mortinho da silva e Mano Menezes na UTI se arrependimento matasse.

Porque Tite teve a chance, e até pensou na hipótese, de ir embora caso ganhasse o Mundial de clubes no ano passado. Se tivesse obedecido sua intuição teria se livrado desta temporada amarga no Corinthians.

Já Mano Menezes há de estar se martirizando por não ter insistido em dar jeito ao Flamengo, coisa que Jaime de Almeida fez com tal facilidade que o time não só está livre do rebaixamento com duas rodadas de antecedência como em vias de ser tricampeão da Copa do Brasil.

Claro que ele poderá dizer que trocou o Flamengo pelo Corinthians e daí não ter do que se arrepender.

Poderá, veja bem, ou poderia, caso não estivesse participando desse pobre jogo de cena alvinegro, tão sem sentido que o próprio Tite, em nome de quem a direção corintiana tenta disfarçar a contratação como gesto respeitoso, está cansado de saber quem o sucederá.

Mano vive antes de voltar ao Corinthians a novela inversa que o fez perder o posto na CBF, quando sua substituição por Luiz Felipe Scolari estava combinada bem antes de ele ser avisado formalmente e ainda enquanto o sucessor trabalhava no Palmeiras.

Convenhamos que este faz de conta beira o ridículo.

Arrependimento pior só mesmo o do reeleito presidente do Fluminense, que engoliu a contratação de Vanderlei Luxemburgo e agora vive a indigestão do rebaixamento, perspectiva que pode levar Conca a achar que teria sido preferível continuar na China.

SEM SENSO

Para a CBF soltar uma nota oficial em pleno domingo é porque a coisa está feia.

Teria sido melhor não fazê-lo, porém, porque para sair de sua preguiça e mutismo apenas para repetir, feito disco quebrado, que tem ouvido todos os setores em busca de soluções não paliativas, nem precisava se manifestar.

A CBF, acostumada ao autoritarismo, não se deu conta ainda que entre todos os tais setores, o mais importante, e mais organizado no momento, é o Bom Senso FC.

Com o BSFC a CBF não tem falado.

Daí o mundo inteiro assistir no país da próxima Copa do Mundo os jogadores sentados nos gramados e de braços cruzados.

Não me canso de receber telefonemas e mensagem de jornalistas da Europa e das duas Américas, a de língua espanhola e inglesa, sobre o movimento de mais de 1000 jogadores.

"É uma nova Democracia Corinthiana"?, os mais antigos perguntam.

Não, é muito mais que o movimento circunscrito a um clube nos anos 80 e misturado com o clima das Diretas Já!, tenho respondido.

Pois o Brasil já enterrou a ditadura faz tempo e perdeu o medo de reivindicar, além de saber que restam cadáveres insepultos, boa parte deles entre os cartolas da maior paixão nacional.

Insepultos, surdos, cegos e mudos.


Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página