Saltar para o conteúdo principal Saltar para o menu
 
 

Lista de textos do jornal de hoje Navegue por editoria

Esporte

  • Tamanho da Letra  
  • Comunicar Erros  
  • Imprimir  

Juca Kfouri

Torcedor

Entre as definições e a origem da palavra que designa quem torce para um time, vândalo não tem vez

TORCER É distorcer, alguém já disse. É deixar que a emoção sobrepuje a razão.

Na origem, quando o futebol era da elite brasileira, a torcedora surgiu antes do torcedor, porque eram as mulheres que tiravam suas luvas e as torciam de nervosas, para não roer as unhas. Quando não eram as luvas, eram os lenços, muitas vezes fornecidos pelos cavalheiros que as acompanhavam aos estádios.

Teria sido o escritor e poeta Coelho Neto, pai de dois jogadores do Fluminense --um deles, Preguinho, o autor do primeiro gol brasileiro numa Copa do Mundo, em 1930--, quem primeiro usou o termo para descrever a aflição de torcedoras. (O outro filho do cronista, Mano, morreu como consequência de uma bolada).

Ser torcedor, daqueles de ir a campo, hoje em dia, é, antes de mais nada, um ato de coragem. Porque corre-se o risco de envolvimento com outro tipo de frequentador de estádio, que adota um complemento ao termo: organizado.

Os organizados são responsáveis pelas coreografias, bandeiras, faixas, painéis, mosaicos, músicas, tudo muito bonito. E pelo terror.

Pela violência que ameaça os cartolas, que morrem de medo deles e os alimentam, ameaça os jogadores e... os torcedores.

Tudo porque gozam da impunidade fruto de uma Justiça frouxa e de uma polícia despreparada, que ou se omite ou agride indiscriminadamente.

Até hoje não houve um presidente da República, um governador de Estado, um prefeito no Brasil que tenha dado a devida atenção ao problema.

Em compensação, não são poucos os oportunistas que já surfaram na onda dos discursos demagógicos ou das medidas extremas e irrealistas.

Uma delas, a extinção das torcidas organizadas.

Em vez de resolver o problema com prevenção, repressão e punição, propõem a pura e simples extinção que faz Mancha Verde virar Alviverde e, quem sabe, Gaviões virarem Falcões.

Quando o mundo moderno discute a descriminalização das drogas, a panaceia por aqui, para que o Estado fuja de sua obrigação, é a extinção das torcidas organizadas ou a paz dos cemitérios.

Não. O governo brasileiro investiu bom dinheiro para produzir ampla e competente radiografia da situação, e a publicou em 2006, para depois engavetar o diagnóstico e não aplicar suas sugestões, diferentemente do que fez o governo inglês, no anos 1990, com o famoso Relatório Taylor.

O gigante portenho Boca Juniors hoje é refém de seus barras bravas.

Caminhamos céleres nesta direção se nada for feito urgentemente, porque a hora já passou e não é de hoje, é de, no mínimo, meados dos anos 1990.

Nos 60, alertava-se que a favela ia descer dos morros no Rio. Desceu.

Meus filhos, quando pequenos, iam aos estádios. Minhas netas não vão.

Acorda, Dilma! Levanta, Alckmin! Desperta, Haddad!


Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página