Saltar para o conteúdo principal Saltar para o menu
 
 

Lista de textos do jornal de hoje Navegue por editoria

Esporte

  • Tamanho da Letra  
  • Comunicar Erros  
  • Imprimir  

Juca Kfouri

O papel da Copa-2014 (2)

Na onda do Mundial no Brasil, apareceram, e morreram sem deixar saudade, quatro revistas sobre futebol

EM NOVEMBRO de 2008, no dia 20 e com o mesmo título, falou-se aqui de um oportunismo fadado a dar errado: o país, que antes de ser anunciado como sede da Copa do Mundo de 2014 tinha apenas três revistas, mensais, de futebol, a "Placar", a "Fut Lance!" e a "Trivela", passou a ter o dobro, pois, de repente, nasceram a "Gol FC", a "Invicto" e a "FourFourTwo".

A pouco mais de 100 dias da abertura da Copa eis que, como então se previu, o oportunismo deu com os burros n'água.

Mais, aliás. Não só desapareceram as três aventuras como sobrou apenas a tradicional "Placar", hoje com 44 anos.

Depois da publicação da coluna, surgiu ainda a revista da ESPN, também de vida curta.

Se jamais as revistas esportivas, leia-se, futebolísticas, tiveram vida fácil no Brasil --que o digam as extintas "Gazeta Esportiva Ilustrada" e "Manchete Esportiva", além de outras menos votadas--, a aposta de que a Copa seria a salvação da lavoura revelou-se enorme fiasco, e não apenas pelo surgimento das novas plataformas como as proporcionadas pela internet.

Errará quem imaginar que a Copa-14 chegou como solução para velhos problemas.

A Copa do Mundo, como bem demonstra o livro "Soccernomics", é a oportunidade de o país-sede fazer um anúncio de si mesmo por 30 dias. Correndo o risco de fazer um mau anúncio.

Sem pessimismo ou mau humor, é o que tem tudo para acontecer conosco, mesmo que o hexacampeonato venha, porque a eventual vitória dentro de campo não servirá para esconder as aflições que estão postas fora dele.

O DÉRBI

De um lado, o Corinthians em crise, há cinco jogos sem vitória, vindo de quatro derrotas e um magro empate.

Com apenas seis gols marcados e 12 sofridos em sete jogos.

Do outro, o Palmeiras imponente, seis vitórias e um empate, 14 gols a favor, apenas quatro contra.Com Alan Kardec sedento por mostrar seus bons serviços ao Felipão, opção que surge diante da escassez de camisas 9 na seleção brasileira.

Se clássico é clássico e vice-versa, o dérbi é tudo isso e mais um pouco.

Qualquer crítico responsável, se chamado a apostar, não apostará no alvinegro. Apenas cravará o alviverde sem maiores preocupações.

Menos um, talvez por irresponsabilidade. Ou mera intuição. Ou desejo...

Amanhã, certamente, o irresponsável terá mil explicações para justificar por que errou.

Ou apenas uma para festejar seu acerto: no dia em que o futebol tiver lógica perderá muito de sua graça.

LIBERTADORES

Em seis jogos, os brasileiros venceram quatro, dois fora de casa com o campeão Galo e o Grêmio, e perderam duas como visitantes.

Saldo positivo, ainda mais porque o Cruzeiro perdeu mesmo foi para a altitude --misturada com racismo.

Deveria ter abandonado o jogo, sem mais.


Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página