Saltar para o conteúdo principal Saltar para o menu
 
 

Lista de textos do jornal de hoje Navegue por editoria

Esporte

  • Tamanho da Letra  
  • Comunicar Erros  
  • Imprimir  

Juca Kfouri

Jogo de nove Copas

O amistoso de hoje entre brasileiros e italianos deveria comover mais do que comove

OS PRIMEIROS pentacampeões mundiais contra os segundos tetracampeões.

Protagonistas de duas finais de Copas do Mundo, em 1970 e em 1994, ambas na América do Norte, no México e nos Estados Unidos, as duas com vitórias brasileiras, a primeira categórica, por 4 a 1, no estádio Azteca, a segunda chocha, aos pênaltis, depois de escaldantes 120 minutos de futebol sem graça e sem gols, em Los Angeles, no Rose Bowl.

Trocaria esta vitória, que valeu à seleção a primazia do primeiro tetra, pelo revés, por 3 a 2, de 12 anos antes, em Barcelona, no Sarriá, embora pela segunda fase, porque o time de 1982 merecia o pioneirismo.

Além de duas decisões de título, Brasil e Itália também decidiram o terceiro lugar, em 1978, na Argentina, a mais triste e sombria das Copas, sob a ditadura do monstruoso Rafael Videla, hoje condenado à prisão perpétua. Acabou 2 a 1 para os invictos e "campeões morais" brasileiros daquela Copa tenebrosa dentro e fora de campo.

Há ainda um quinto jogo entre as seleções valendo Copa do Mundo, na verdade o primeiro dos embates, na Copa de 1938, na França, vitória italiana pelos mesmos 2 a 1.

Pela Copa das Confederações jogaram uma vez, em 2009, na África do Sul, 3 a 0 para o Brasil.

Sobram nove amistosos, com cinco vitórias nacionais e um empate. As três vitórias italianas foram na Itália, ao passo que as brasileiras foram três em casa e duas na bota.

Em resumo, o Brasil venceu oito jogos e perdeu cinco em 15.

Mas, e hoje, em Genebra, na gelada Suíça?

O que para Mano Menezes seria um sentido desfalque, a ausência de Paulinho, talvez seja um alívio para Luiz Felipe Scolari -como é para os corintianos que preferem vê-lo descansando antes de ir para a altitude de Bogotá enfrentar o Millonarios, pela Libertadores.

Sem ele, Felipão poderia ser mais Felipão, ainda mais depois que perdeu, também, Ramires. Sobraram três volantes volantes, Luiz Gustavo, do Bayern de Munique, Jean, do Fluminense, e Fernando, do Grêmio -além de Hernanes, da Lazio, com repertório mais parecido com o dos que foram cortados, e de David Luiz.

Ao que parece, Felipão escalará Hernanes com Fernando e Oscar, mais três atacantes.

Seja qual for a escolha do técnico, é nítido que o torcedor brasileiro anda comemorando quando seus ídolos ficam fora da seleção. O do Galo, por mais que estranhe as ausências de Réver, Ronaldinho e Bernard (que é melhor que o bom Osvaldo, do São Paulo), agradece vê-los poupados.

Porque por mais atraente que possa ser o clássico ao pé dos Alpes, e é pela tradição que o envolve, o torcedor brasileiro não se mobiliza em função dele, parece mais preocupado em querer ver os pés de seus craques resguardados para os jogos dos clubes.


Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página