São Paulo, Quarta-feira, 12 de Janeiro de 2000


Envie esta notícia por e-mail para
assinantes do UOL ou da Folha
Texto Anterior | Próximo Texto | Índice

Sem estrelas, Índio vira atração na apresentação do Palmeiras

da Reportagem Local

A torcida do Palmeiras, acostumada a ver nos últimos anos o seu time voltando das férias reforçado por novas estrelas, vai passar hoje por uma situação bem diferente.
Às 9h, os jogadores se apresentam ao técnico Luiz Felipe Scolari.
Com a negativa da Parmalat -co-gestora desde 1992- em fazer contratações de peso, o zagueiro Índio, que veio do Juventude-RS, vai se transformar na atração do dia. Ele é o único reforço contratado até agora.
Além de não contratar, o clube está se desfazendo dos atletas que tinham os salários mais altos, como Zinho e Paulo Nunes.
Ao todo, nove jogadores deixaram o Palmeiras.
A decisão do consórcio Palmeiras-Parmalat de fechar os cofres e reduzir as contratações vai deixar Scolari numa situação complicada a partir de hoje.
O treinador não tem jogadores suficientes nem para fazer um coletivo nos primeiros treinos da equipe no ano.
"Isso não vai ser problema. Nos primeiros dias, não estão programados treinos coletivos", afirmou Sebastião Lapolla, diretor de futebol do clube.
São esperados hoje 16 jogadores. Para complicar a vida da comissão técnica, o meia Alex está na seleção brasileira pré-olímpica, em Londrina (PR) e desfalca a equipe na pré-temporada.
Scolari também não vai poder contar com o goleiro Gilvan, o volante Paulo Assunção, o lateral-direito Rodrigo Taddei, o meia Ferrugem e o atacante Juliano.
Eles estão disputando a Copa São Paulo, mas já sabem que vão ser aproveitados pelo treinador.
Outros juniores devem passar para a equipe principal, pelo menos até a diretoria decidir voltar a contratar.
E isto não vai acontecer tão cedo. "Sem correria, nós vamos fazer uma reposição. Não vamos contratar um jogador para o lugar de cada um que saiu, mas os reforços virão", disse Lapolla.
Segundo o diretor, a hora é péssima para fazer negócios.
"A maré está em alta. Os clubes estão pedindo muito por seus jogadores. Vamos esperar a maré baixar", afirmou.
Nem a irritação da torcida vai fazer os dirigentes mudarem de idéia.
A Mancha Alviverde, maior organizada palmeirense, tem feito campanha para que a Parmalat deixe o clube.
"É normal a torcida ficar ansiosa. Eles podem se acalmar porque o nosso time tem jogadores de qualidade, que foram até pretendidos por outras equipes", disse o diretor de futebol.
Revoltada, a Mancha Alviverde pretende protestar na reapresentação dos jogadores.
A organizada fez até planos para alugar um helicóptero e despejar sua propaganda contra a Parmalat no centro de treinamento.
Protestar nas arquibancadas do CT vai ser impossível. A diretoria já avisou que não vai permitir a presença de torcedores na reapresentação dos jogadores.
A entrada da torcida está proibida hoje e amanhã. Oficialmente, o clube alega que os portões fechados porque os jogadores não vão treinar no campo.
Eles farão apenas exames médicos e avaliação física, o que impediria os torcedores de se aproximar dos ídolos.

Aprovação
Scolari diz aproveitar o plano de trabalho da diretoria. O treinador afirmou que gosta de trabalhar com poucas estrelas na equipe.
Segundo ele, os dirigentes agiram certo ao botar um freio nas contratações milionárias.
"Quando os outros começarem a fazer a mesma coisa, vão ver que nós somos pioneiros".


Texto Anterior: Falha gráfica adia venda de ingressos
Próximo Texto: Único contratado já chega machucado
Índice



Copyright Empresa Folha da Manhã S/A. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Agência Folha.