São Paulo, quarta-feira, 21 de junho de 2006

Texto Anterior | Próximo Texto | Índice

JUCA KFOURI

À moda alemã

Pragmático, time germânico venceu três, com oito gols, e já tem maestro

JÁ QUE é para falar de resultados, eis que a Alemanha cumpriu muito bem o seu papel na primeira fase desta Copa.
Ganhou suas três partidas e não tomou conhecimento do Equador, que, apesar dos desfalques, mostrou-se complexado diante da solidez do jogo dos donos da casa.
Que cada vez mais tem seu maestro no jovem meia Bastian Schweinsteiger, do Bayern de Munique, de apenas 21 anos, por mais que a Fifa tenha escolhido Ballack como o melhor do jogo de ontem.
Ballack, que jogou bem mesmo, deu uma preciosa enfiada de bola para Klose marcar o segundo dos três gols alemães. Do jeito que vai, periga o novo meia do Chelsea superar os desempenhos de Rodrigo Fabri em suas ótimas temporadas na Portuguesa e no Grêmio.
É pequena, porém, a chance de esta Alemanha brilhar, porque a criatividade não é o forte da equipe, embora tenha virado lugar comum dizer que os tedescos jamais empolgam, mas sempre chegam.
E nem é bem verdade, porque se a Copa de 1954, que eles venceram, foi a Copa da Hungria, e a de 1974, também dos germânicos, foi a da Holanda, pelo menos nesta última o time era muito, mas muito bom e cativante.
Em 1990, ano do tri alemão, de fato, a conquista só se deu graças a um pênalti inexistente contra a Argentina, numa final quase tão pouco empolgante como a de 1994.
Mas para o pragmatismo alemão vale a classificação, com oito gols. Melhor: escapou, nas oitavas, da Inglaterra, para quem perdeu uma final de Copa, em 1966, e enfrentará a valente Suécia.
Em bom alemão: só mesmo uma razoável zebra tira o time das quartas-de-final.
Como é improbabilíssimo que o Equador derrube os ingleses, de tantas estrelas e de, até aqui, um dono do time: Joe Cole, o mais sul-americano dos ingleses, com suas fintas curtas e seus lançamentos longos, fora o gol que marcou nos suecos, obra prima. Ingleses que parecem ter perdido Michael Owen, mas ganharam Wayne Rooney, um leãozinho dentro de campo.


@ - blogdojuca@uol.com.br

Texto Anterior: Datafolha na Copa: Ecos de 28 anos atrás
Próximo Texto: "Melhor que Pelé" põe alemães em 1
Índice


Copyright Empresa Folha da Manhã S/A. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folhapress.