São Paulo, segunda-feira, 22 de outubro de 2007

Texto Anterior | Próximo Texto | Índice

Corintianos sucumbem nos Aflitos

Time sofre gol de pênalti aos 45min do 2 tempo e agora seguirá na zona do descenso mesmo que vença próximo jogo

Náutico 1
Corinthians 0

EDUARDO ARRUDA
ENVIADO ESPECIAL A RECIFE

Durante a semana que antecedeu Náutico x Corinthians, os pernambucanos manifestaram receio de um possível favorecimento à arbitragem ao time paulista. Pois ontem Heber Roberto Lopes foi decisivo para o resultado do confronto.
Ele marcou, acertadamente, um pênalti no final do jogo para a equipe da casa, convertido pelo meia Geraldo. O gol dele afundou mais o Corinthians, que, mesmo que vença na próxima rodada, não deixará a zona de rebaixamento.
O time é o 17 colocado, com 38 pontos, três a menos que o Goiás, um dos rivais corintianos, mas que tem duas vitórias a mais. Foi a terceira derrota do time alvinegro para o Náutico, que já havia eliminado os paulistas da Copa do Brasil.
O técnico Nelsinho Baptista armou um time com esquema semelhante ao que usou na vitória contra o São Paulo. Eram três zagueiros e três volantes, que tinham a missão de organizar a equipe ofensivamente. Por 35 minutos, os corintianos praticamente só se defenderam. E abusavam dos chutões.
O treinador corintiano notou a falta de um homem de criação nos minutos finais da primeira etapa, quando pôs Carlão na ala esquerda e Gustavo Nery no meio. O Corinthians começou a trocar mais passes e levou mais de perigo, a ponto de Fábio Ferreira perder gol na frente do goleiro Neto. Foi, de fato, a única chance real dos paulistas.
Durante a maior parte do primeiro tempo, tiveram de agüentar a pressão dos rivais, que falhavam nas finalizações.
Na etapa final, Nelsinho tirou o ala-direito Iran e pôs o meia Bruno Bonfim. Com isso, Carlos Alberto foi para a ala.
O time ficou mais agressivo em campo. Em poucos minutos, criou mais do que em todo o primeiro tempo. Por outro lado, deixou espaços na defesa.
E o Náutico só não saiu na frente graças ao goleiro Felipe, que salvou o time em três oportunidades. Diante da pressão dos rivais, o treinador corintiano arriscou um pouco mais. Sacou outro volante, Carlão, e colocou mais um meia, Ailton.
O jogo ficou ainda mais aberto, nervoso. Os pernambucanos reclamaram pênalti de Zelão em Júlio César. O Corinthians não acertava os contragolpes, e o time da casa sufocava, empurrado por mais de 18 mil pessoas.
Diante disso, Nelsinho tirou Gustavo Nery e pôs o lateral Amaral. Ele foi para a ala esquerda, e Ailton para o meio.
E foi Ailton quem definiu o jogo. Em um lance desnecessário, aos 45min, empurrou Vagner na área, quando Felipe já havia feito a defesa. Geraldo bateu o pênalti e deu a vitória aos pernambucanos, que a festejaram como um título, com direito a uma volta olímpica.
Os corintianos, cabisbaixos, deixaram rapidamente o gramado. Já pensam no Figueirense, rival do próximo domingo.

Texto Anterior: Juca Kfouri: Que pentacampeão é este?
Próximo Texto: Técnico exime seu time, mas não o vilão
Índice



Copyright Empresa Folha da Manhã S/A. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folhapress.