São Paulo, quarta-feira, 19 de maio de 2010

Texto Anterior | Próximo Texto | Índice

O texto abaixo contém um Erramos, clique aqui para conferir a correção na versão eletrônica da Folha de S.Paulo.

OPINIÃO

Artista quer ser bem amado e pago

ANDRÉ FORASTIERI
ESPECIAL PARA A FOLHA

Existem duas maneiras úteis de o dinheiro público se envolver com arte: sustentando o supernovo e levando o superpopular aos pobres. É bom uso do Tesouro Nacional apoiar a produção e a circulação de tudo o que é criação intransigente e inédita. Seja nova ou antiga, brasileira ou não. Contanto que o orçamento seja baixo e que não haja hipótese de patrocínio corporativo.
A maioria dos brasileiros não pode pagar R$ 200 por um show ou R$ 50 por um livro. Deveríamos todos poder votar com o bolso. O projeto do vale-cultura merece críticas, mas seria melhor do que nada, que é o que temos hoje.
Tudo o que está entre o supernovo e o superpopular deveria ser julgado caso a caso. Portanto, não pode ser transformado em política pública. Não em um país tão permeável às ações entre amigos.
Mudanças nas leis de incentivo ou na política de patrocínios da Petrobras e toda a cultura do país capotam. Cinema: a regra da "retomada" são produções de R$ 5 milhões que não recuperam um décimo dos recursos captados via leis de incentivo.
Teatro: a maior parte dos patrocínios vai para montagens de terceira com atores de novela -hits da Broadway etc. Música: idem, com requintes como o ministro da Cultura se beneficiar de renúncia fiscal -Gilberto Gil levou em 2009 R$ 445 mil do nosso dinheiro.
É excesso de zelo, portanto, eleger festivais goianos exemplo de lambança. Qual o problema de jovens músicos correrem atrás do seu? Não é a história deste país, todos se achegando para perto do cofre? Perto do rio de dinheiro público que escoa sem fim para megabancos e megafusões, apoiar roqueiros interioranos é um pinguinho no oceano.
"Se Gil pode, por que não eu?", se pergunta a nova cena musical brasileira, o que prova que ela só é nova na idade de seus participantes.
Moeda alternativa, distribuição digital, cooperativas. Sim, quem quer viver de música tem de dar seus pulinhos. Mas o que interessa é grana grossa, governo, empresa grande. Da tropicália ao mangue beat a hoje, todo mundo adere tão rápido quanto possível. Doidão, sim, anarquia, já, mas só louco rasga dinheiro.
A vida, é fato, anda dura. Irving Azoff, empresário de Eagles, Guns N'Roses e hoje CEO da LiveNation, diz que só 6% da receita dos grandes artistas americanos vêm de música gravada. O resto é show, merchandising, patrocínio. Imagine no Brasil.
Arte provocativa já foi criada por gente com contas a pagar. Compromisso zero com o mercado gerou muito lixo para engrupir crítico/acadêmico. Arte não tem regras, mas vida de artista tem. A função da arte não é dar o que o povo quer -é revelar o que ele quer.
Já o artista quer ser bem amado e bem pago. Quem se importa de onde vem a grana?

ANDRÉ FORASTIERI é diretor editorial da Tambor Digital



Texto Anterior: Pagamento de cachê é tema de debate
Próximo Texto: 63º Festival de Cannes: Festival leva atores da favela a tapete vermelho
Índice



Copyright Empresa Folha da Manhã S/A. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folhapress.