Saltar para o conteúdo principal Saltar para o menu
 
 

Lista de textos do jornal de hoje Navegue por editoria

Mercado

  • Tamanho da Letra  
  • Comunicar Erros  
  • Imprimir  

Eike acerta venda da LLX por R$ 1,3 bilhão

Grupo americano EIG se comprometeu a subscrever ações da empresa, que opera porto do Açu, em aumento de capital

Quando a operação for concluída, a fatia de Eike na LLX vai cair de 54% para 21%; negócio surpreendeu o mercado

RAQUEL LANDIM DE SÃO PAULO RENATA AGOSTINI DE BRASÍLIA DENISE LUNA MARIANA SALLOWICZ DO RIO

O empresário Eike Batista acertou a venda do controle do porto do Açu, em São João da Barra, no litoral norte do Rio de Janeiro, para o grupo americano EIG. O lance surpreendeu o mercado, porque o porto era considerado um dos maiores "elefantes brancos" de Eike.

O EIG se comprometeu a subscrever até R$ 1,3 bilhão em ações da LLX, empresa que opera o porto do Açu, em um futuro aumento de capital. O preço fixado para a ação é de R$ 1,2.

O negócio ainda está sujeito a finalização do processo de "due diligence" (uma análise aprofundada dos números da LLX) pelo EIG.

Quando a operação for concluída, a fatia de Eike na LLX vai cair de 54% para 21%. Se os outros minoritários não aderirem ao aumento de capital, os americanos chegarão a 61% de participação na LLX. Se todos aderirem, o EIG ficará com 33% e, mesmo assim, irá se tornar controlador da empresa.

As ações da LLX subiram 17% ontem, para R$ 1,51, porque a saída de Eike do controle é vista como uma oportunidade para a empresa por abrir canais de crédito.

A crise do grupo EBX tornou o nome de Eike "tóxico" para o mercado.

O investimento do EIG será feito via aumento de capital para que os recursos permaneçam na LLX e não possam ser usados por Eike para pagar dívidas em outras empresas.

CRISE DE CREDIBILIDADE

O grupo EBX enfrenta profunda crise de credibilidade, desde que a produção da petroleira OGX decepcionou. Eike já vendeu o controle da termelétrica MPX à alemã E.ON e negocia a venda de outras empresas para pagar dívidas.

O empresário vem sendo assessorado nessa liquidação de ativos por André Esteves e sua equipe no BTG. Mas não foi o banqueiro que trouxe o comprador da LLX.

A percepção no BTG e no mercado era que seria difícil vender o porto do Açu, em razão dos investimentos necessários para terminar as obras e por causa das dívidas.

O projeto total está orçado em R$ 4 bilhões. As dívidas da LLX chegavam a R$ 1,8 bilhão no fim do primeiro trimestre, sendo R$ 863 milhões de curto prazo (R$ 345 milhões com Bradesco e R$ 518 milhões com BNDES).

Para a LLX, o valor levantado no aumento de capital mais as linhas de crédito já existentes serão "suficientes" para fazer os investimentos e equacionar a dívida.

Segundo a Folha apurou, a possibilidade de venda da LLX começou a ganhar força há três semanas, graças à ajuda de Ricardo Antunes, ex-presidente da LLX e hoje sócio da mineradora Manabi.

O grupo EIG, um líder global no setor de energia com US$ 12,8 bilhões sob gestão, é sócio da Manabi. No fim do ano passado, os americanos aplicaram US$ 150 milhões na mineradora, que ainda está em fase pré-operacional.

Foi Antunes quem convenceu os sócios americanos das vantagens da aquisição, embora o negócio tenha sido fechado entre LLX e EIG, sem participação da Manabi.

A avaliação dos compradores é que o ativo é bom, já tem licenciamentos ambientais aprovados e boa parte das obras foi concluída. Outra vantagem seria o expressivo tamanho do distrito industrial do porto, o que significa área para arrendar para outras empresas.

AGRICULTORES

Para a criação do distrito industrial, centenas de pequenos agricultores foram desalojados e tentam obter suas terras de volta. Se o negócio for fechado, seu pleito se torna mais difícil.

Além disso, a LLX possui um acordo com a Anglo American, cujo contrato prevê o início do pagamento para usar o porto mesmo que os embarques de minério atrasem.

Para a Manabi, também pode ser estratégico que o EIG se torne sócio do porto do Açu. O negócio tem potencial de facilitar os embarques do minério de ferro da Manabi, cuja mina está localizada em Minas Gerais, bem perto da Anglo American.


Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página