Saltar para o conteúdo principal Saltar para o menu
 
 

Lista de textos do jornal de hoje Navegue por editoria

Mercado

  • Tamanho da Letra  
  • Comunicar Erros  
  • Imprimir  

Custo tira calçadistas brasileiros da China

Dongguan, cidade que já serviu de refúgio a empresários que fugiram da crise no Brasil dos anos 90, vive êxodo

Salários mais altos e competitividade menor levam fabricantes de sapatos a procurarem outros países asiáticos

MARCELO NINIO ENVIADO ESPECIAL A DONGGUAN

Dongguan, no sul da China, tem churrascaria, aulas de capoeira e um colégio com currículo brasileiro, da pré-escola ao pré-vestibular.

São resquícios do tempo em que essa cidade de 8 milhões de habitantes virou refúgio de calçadistas brasileiros, desempregados pela crise que atingiu a indústria nacional na década de 90.

Mas esse ciclo se esgotou. Com o encarecimento da produção, causado sobretudo pelo aumento dos salários chineses, muitas fábricas se mudaram para países mais baratos na região, como Vietnã, Bangladesh e Indonésia.

Com largas avenidas e paisagismo que lembra o aterro do Flamengo, no Rio, Dongguang deixou de ser o eldorado dos calçadistas brasileiros. A comunidade brasileira ali, que chegou a ser a maior da China com 4.000 pessoas, hoje tem 1.753, informa o Consulado do Brasil em Cantão.

A primeira geração de profissionais brasileiros desembarcou há 20 anos no sul da China, fugindo da perda de competitividade da indústria nacional para os asiáticos. A maioria era da região do Vale dos Sinos (RS), tradicional produtora, e trazia o conhecimento técnico de que a indústria local carecia.

Há 16 anos em Dongguan, o catarinense Ari Filipini, 59, é diretor da Paramont, empresa brasileira que faz a ponte entre as fábricas chinesas e os clientes, a maioria dos EUA e da Europa. O volume de exportação, que já foi de 33 milhões de pares anuais, hoje paira em 20 milhões.

Em sua sala, decorada com fotos de família e um mapa-múndi em que a China ocupa o centro, Filipini conta que o setor teve que se adaptar à perda de competitividade.

Quando ele chegou, a China era a "bola da vez". A moeda chinesa valia menos. E o salário médio dos operários era de 500 yuans (R$ 193) --hoje é quatro vezes mais alto.

"Primeiro as fábricas começaram a migrar para o interior da China. Depois passaram a buscar outros países", diz. "O próximo alvo é a Etiópia, onde a China tem investimentos e boas relações."

Não é só a menor competitividade da indústria calçadista chinesa que reduz a presença brasileira em Dongguan. O conhecimento de profissionais da primeira geração, como costureiros, cortadores e técnicos de acabamento em couro foi absorvido pelos chineses, que aprenderam a fazer o mesmo serviço por um salário bem menor.

Enquanto um técnico brasileiro ganha em média US$ 3.000 (R$ 7.000), o chinês ganha 3.000 yuans (R$ 1150).

Se há 15 anos a mudança era uma aventura para poucos, hoje é diferente. "Tem fila de brasileiros querendo vir", diz Filipini. "Alguns chegam com visto de um ano, não agradam e ficam por aí, à espera de oportunidade".

Para alguns brasileiros, porém, Dongguan continua sendo o eldorado. Há 15 anos na China, o designer Ricardo Leite, 44, começou na Paramont, levado por Filipini. Ficou dois anos, até decidir que era hora de abrir o próprio negócio.

Sua empresa, Rival, fatura US$ 100 milhões ao ano produzindo em menor escala e com maior valor agregado. Os sapatos da Rival atendem a grifes de prestígio nos EUA e na Europa, como Donna Karan e Dolce&Gabbana.

Ricardo já teve 22 funcionários brasileiros. Hoje são 7, de 250. O próximo passo será lançar sua marca de sapatos femininos, "Maria Maccari", com design da mulher, Valéria. "Quem cria uma marca cria um patrimônio", ensina.


Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Smart TV Smart TV Diversas ofertas a partir de R$ 856,11

Notebook Notebook Trabalhe, estude, jogue, a partir de R$ 769,00

Celulares | Tênis | Mais...

Voltar ao topo da página