São Paulo, quarta-feira, 25 de agosto de 2010

Texto Anterior | Próximo Texto | Índice

Queda na venda de casas afeta as Bolsas nos EUA

Negociação de residências usadas cai 27%, para o menor nível desde 1999

Com dados do mercado imobiliário, expectativa sobre a recuperação da economia americana fica mais pessimista

CRISTINA FIBE
DE NOVA YORK

A divulgação de mais um indicador ruim para a economia americana fez com que a Bolsa de Nova York voltasse a fechar em baixa, ontem. As vendas de residências usadas caíram 27,2% em julho, na comparação com o mês anterior.
De acordo com a National Association of Realtors, que compila estatísticas do setor, o total das vendas no mês passado ficou em 3,83 milhões de unidades (na taxa anualizada), ante 5,26 milhões em junho. Em relação a julho de 2009, a queda foi de 25,5%.
O resultado é o mais baixo desde 1999, quando o levantamento começou a ser feito.
Analistas esperavam uma queda, já que julho foi o primeiro mês em que os compradores não puderam contar com um crédito de até US$ 8.000 (mais de R$ 14 mil) dado pelo governo para a transação.
A expectativa consensual, no entanto, era que as vendas caíssem cerca de 13%, menos da metade do resultado oficial.
Os dados divulgados ontem fizeram crescer a preocupação com um segundo mergulho dos EUA na recessão, o chamado "double dip". Com o índice de desemprego em quase 10% e a relutância dos americanos em consumir, especialistas agora veem uma recuperação ainda mais lenta do que se esperava.
As Bolsas em Wall Street, que já haviam iniciado as operações em baixa após quedas nos mercados europeu e asiático, refletiram a preocupação dos investidores americanos durante o dia. O índice Dow Jones fechou em baixa de 1,3%; o S&P 500 caiu 1,5%; a Nasdaq, 1,7%.


Texto Anterior: Siderurgia: Ameristeel aprova venda para Gerdau por US$ 1,7 bilhão
Próximo Texto: Bovespa recua pelo quarto dia consecutivo
Índice



Copyright Empresa Folha da Manhã S/A. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folhapress.