São Paulo, Domingo, 28 de Novembro de 1999


Envie esta notícia por e-mail para
assinantes do UOL ou da Folha
Texto Anterior | Próximo Texto | Índice

GOVERNISTA
Saiba quem é Jorge Batlle

do enviado especial

Jorge Batlle, 72, representa a família mais tradicional da política uruguaia. Seu bisavô foi presidente do país, assim como seu tio-avô e seu pai. Seguindo seus ancestrais, essa é a quinta vez que ele tenta chegar à Presidência. E a que tem mais chances de vencer.
Tem uma postura bastante crítica em relação ao Brasil, o principal destino das exportações uruguaias. Disse este ano, após a queda do real e seus efeitos negativos na economia uruguaia, que o Uruguai deveria recriar com a Argentina o Vice-Reinado do Rio da Prata (aliança da época colonial), para contrabalançar o peso brasileiro no Mercosul.
Em 92, disse: "Se o Brasil está mal, vamos nós três (Uruguai, Argentina e Paraguai) para o norte, como fez o Chile", uma alusão aos acordos do Chile com o Nafta (o tratado econômico entre EUA, Canadá e México).
Batlle defende até hoje uma política de aproximação econômica com a América do Norte, para diminuir a dependência uruguaia dos gigantes e instáveis vizinhos, Brasil e Argentina.
Político liberal, com um gosto por declarações bombásticas, prega a redução do papel do Estado na economia e a manutenção da estabilidade econômica alcançada no governo colorado atual.
Batlle hoje é o líder do Batllismo, a principal corrente política do Partido Colorado, fundada por seu tio-avô, José Batlle y Ordoñez (1856-1929). Presidente por duas vezes no início do século, Batlle y Ordoñez iniciou reformas sociais no Uruguai que demorariam ainda algumas décadas para chegar aos outros países do continente, transformando o país na "Suíça da América Latina".
Deputado, senador, ministro, o candidato Batlle tem grande conhecimento do poder. Advogado de formação, trabalhou como jornalista no diário "Acción", fundado pelo pai. Durante o regime militar (1973-85), teve seus direitos políticos suspensos, mas seguiu dirigindo o Partido Colorado da clandestinidade.
É casado pela segunda vez com Mercedes Manafra. Do primeiro casamento, tem dois filhos e três netos. (SM)


Texto Anterior: Saiba quem é Tabaré Vázquez
Próximo Texto: País tem histórico político conservador
Índice


Copyright Empresa Folha da Manhã S/A. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Agência Folha.