Saltar para o conteúdo principal Saltar para o menu
 
 

Lista de textos do jornal de hoje Navegue por editoria

Poder

  • Tamanho da Letra  
  • Comunicar Erros  
  • Imprimir  

A Copa como ela é

Secretário de Haddad doou R$ 200 mil a petista em 2010

Tatto desembolsou 29% do arrecadado pela campanha de Moura à Assembleia

Titular dos Transportes afirma que relação é democrática; deputado diz que não tem ligação com facção criminosa

ROGÉRIO PAGNAN GUSTAVO URIBE DE SÃO PAULO

O secretário municipal de Transportes de São Paulo, Jilmar Tatto, bancou quase um terço da campanha a deputado estadual de Luiz Moura (PT) em 2010.

O parlamentar, que explora o serviço de transporte na capital, foi flagrado pela polícia num encontro com integrantes da facção criminosa PCC na sede da cooperativa da qual faz parte, a Transcooper.

Sozinho, o secretário de Fernando Haddad (PT) fez 23 doações à campanha de Moura, totalizando R$ 201 mil --ou 29% de tudo o que a candidatura arrecadou. O petista elegeu-se com 104.705 votos.

Procurado ontem, Tatto se limitou a dizer que sua resposta era a mesma enviada na quinta-feira (22) pela Secretaria de Transportes.

"A relação política que o secretário Jilmar Tatto tem com o deputado Luiz Moura ocorre no âmbito institucional e democrático, da mesma forma que com os demais parlamentares do PT e de outras legendas", diz a nota.

O deputado participou de uma reunião, em março, em que estavam presentes ao menos 13 membros da facção criminosa PCC, segundo investigações da Polícia Civil.

Moura negou à TV Band que soubesse da presença de criminosos. "Graças a Deus, eu nunca tive ligação com nenhuma facção criminosa. Isso eu posso falar com a maior tranquilidade do mundo."

A polícia investigava a série de atentados a ônibus ocorridos na cidade. O petista disse que o encontro tinha o objetivo de impedir uma greve.

"Estava prestando um serviço à população [...] O que estão tentando atribuir à mim é perseguição política."

A operação policial foi revelada pelo subsecretário estadual de Comunicação, Márcio Aith, durante o programa de José Luiz Datena, na TV Band, na quarta-feira (21).

Entre os suspeitos do PCC no encontro, estava um dos ladrões do Banco Central no Ceará, em 2005 --solto por ordem da Justiça. Desses 13 integrantes da facção, 11 não tinham ônibus ou ligação formal com a cooperativa e, assim, para a polícia, não tinham razões para estarem em reunião que, em tese, discutiria interesses da categoria.

O deputado faz parte do conselho administrativo da cooperativa, segundo dados da Junta Comercial de São Paulo, embora sua assessoria diga que ele está afastado. A entidade tem três permissões de transporte na capital.

PASSADO

Na década de 1990, Moura foi preso por assalto a mão armada no Paraná. Após um ano e meio, ele escapou da prisão e ficou foragido por cerca de dez anos. Em 2006, conseguiu na Justiça sua reabilitação (ou seja, teve suas dívidas com a lei consideradas quitadas), e se filiou ao PT.

Na gestão Marta Suplicy (2001-2004), atuou na organização do transporte coletivo, quando havia uma série de conflitos da prefeitura com perueiros clandestinos.

Em 2012, Marta, então candidata ao Senado, fez uma doação de R$ 35 mil a Moura.


Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página