Saltar para o conteúdo principal Saltar para o menu
 
 

Lista de textos do jornal de hoje Navegue por editoria

Poder

  • Tamanho da Letra  
  • Comunicar Erros  
  • Imprimir  

O texto abaixo contém um Erramos, clique aqui para conferir a correção na versão eletrônica da Folha de S.Paulo.

Renan envia para procurador petição contra desafetos

Ex-deputado estadual acusa Randolfe e Capiberibe de pagar mensalão de R$ 20 mil na Assembleia do Amapá

Senadores acusados negam pagamentos e dizem que os papéis anexados ao pedido de investigação são falsos

DIMMI AMORA ANDREZA MATAIS DE BRASÍLIA

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), mandou à Procuradoria-Geral da República (PGR) petição contra os senadores Randolfe Rodrigues (PSOL-AP) e João Capiberibe (PSB-AP).

Randolfe e Capiberibe foram contra a eleição de Renan à presidência da Casa. Randolfe se lançou ao cargo, mas desistiu para apoiar Pedro Taques (PDT-MT).

Na gestão de Renan, que começou no mês passado, o Senado já aprovou requerimento para investigar o procurador-geral, Roberto Gurgel, que denunciou o peemedebista pouco antes da eleição à presidência da Casa.

A petição foi entregue pelo ex-presidente da Assembleia Legislativa do Amapá Fran Júnior. Segundo ele, o então governador João Capiberibe pagou, em 1999 e 2000, "mensalão" de R$ 20 mil para todos os deputados estaduais em troca de apoio político e da aprovação de suas contas pelo Legislativo. A compra de apoio teria continuado na gestão de Fran.

Ele apresentou documentos que comprovariam os pagamentos -ilegais por não estarem na lei orçamentária. Também foram anexadas gravações em que supostamente o governador fala sobre compra de apoio político.

Foi a primeira queixa-crime contra um parlamentar recebida na gestão de Renan no comando do Senado. De acordo com a assessoria do senador, a praxe será encaminhar todas à PGR.

HISTÓRICO

Fran foi colega de Randolfe na assembleia de 1999 a 2002, quando Capiberibe estava no governo. O senador fazia oposição ao governador. Fran era do PMDB de Renan.

Em 2012, tentou disputar a eleição para prefeito de Mazagão pelo PP, mas foi barrado por ter ficha suja: é condenado por improbidade administrativa durante sua gestão na assembleia. Ele também foi indiciado pela CPI do narcotráfico do Congresso.

"Parece que o país está ficando sério. Por isso, resolvi fazer a denúncia agora", afirma o ex-deputado estadual.

Fran diz que, na época, o salário dos deputados aprovado era de R$ 5.300 mensais. Segundo ele, na gestão anterior à sua na assembleia, o então governador Capiberibe começou a enviar ao Legislativo o recurso extra para o pagamento aos parlamentares.

O ex-deputado anexou na petição ao Senado um contracheque que diz ter sido assinado por Randolfe e afirma que em seis meses durante 1999 o hoje senador recebeu R$ 120 mil além do salário.

A PGR, que não se manifestou sobre o assunto, pode pedir ao Supremo Tribunal Federal a abertura de investigação sobre os senadores.


Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página