Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
07/12/2012 - 04h38

Crítica: Trabalho é o mais amargo da leva atual de filmes políticos com crianças

Publicidade

RICARDO CALIL
CRÍTICO DA FOLHA

Histórias de luta contra as ditaduras latino-americanas vistas pelos olhos de crianças se tornaram quase um subgênero do cinema recente.

Nele se incluem o argentino "Kamchatka" (2002), o chileno "Machuca" (2004), o brasileiro "O Ano em que Meus Pais Saíram de Férias" (2006), o francês "A Culpa é do Fidel!" (2006) e agora "Infância Clandestina".

Cada um à sua maneira, esses filmes reconheceram que o choque entre a férrea convicção de pais militantes de esquerda e a volátil inocência de seus filhos --em um ambiente de opressão, mas também de aventura-- tinha enorme potencial dramático.

Mesmo chegando por último, "Infância Clandestina" consegue afirmar sua personalidade. Aqui o horror destrói qualquer possibilidade de ingenuidade. Nesse sentido, é o mais amargo e o menos inocente desse grupo.

O filme tem ainda as qualidades que nos acostumamos a reconhecer nas produções argentinas, sobretudo o roteiro sólido (do brasileiro Marcelo Müller e do diretor Benjamin Ávila) e o alto nível das atuações --além de um ótimo uso da animação nas cenas de maior violência.

INFÂNCIA CLANDESTINA
DIREÇÃO Benjamin Ávila
PRODUÇÃO Argentina, Espanha, Brasil/2011
ONDE Cine Livraria Cultura, Cine Sabesp e circuito
CLASSIFICAÇÃO 12 anos
AVALIAÇÃO bom

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página