Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
19/12/2012 - 03h50

Governo projeta rede alternativa de cinema

Publicidade

MATHEUS MAGENTA
DE SÃO PAULO

Enquanto mais de 60 filmes brasileiros aguardam para estrear nos cinemas, 61% das salas do país exibem hoje estrangeiros como "O Hobbit" ou a última parte da saga "Crepúsculo". Já a produção nacional que estreou neste ano viu sua fatia de público cair 31,8% --de 13,5% para 9,2%-- em relação a 2011.

Mesmo premiados, filmes brasileiros esbarram em blockbusters
Sites oferecem 'vaquinha on-line' via leis de incentivo fiscal do país
Filme brasileiro 'Colegas' é premiado no Festival de Trieste

É neste cenário que Leopoldo Nunes, ex-diretor da Ancine (Agência Nacional do Cinema) e da TV Brasil, assume a Secretaria do Audiovisual do Ministério da Cultura. O órgão tem entre suas responsabilidades a elaboração de políticas públicas para o cinema e o audiovisual.

Em entrevista à Folha, Nunes diz que a nova lei da TV paga (com cotas para conteúdo nacional) aumentará a fatia brasileira também nos cinemas. Mas, para ele, a prioridade não é criar reservas de mercado, mas garantir que as obras brasileiras cheguem ao público.

Rafael Hupsel/Folhapress
Leopoldo Nunes, ex-diretor da Ancine e da TV Brasil, que assume Secretaria do Audiovisual
Leopoldo Nunes, ex-diretor da Ancine e da TV Brasil, que assume Secretaria do Audiovisual

"Há um número limitado de cinemas no país, quase 2.500. O ideal seriam 4.000, mas isso não ocorrerá em curto prazo. Vamos investir em formas alternativas de difusão, como os 360 CEUs das Artes que serão construídos, cineclubes, Sescs, praças, pontos de exibição", disse.

Para ele, o governo não pode obrigar o público a assistir a um filme brasileiro, mas tem como obrigação garantir que eles sejam exibidos.

"Precisamos formar público, capacitar criadores e promover o encontro entre espectadores e obras nacionais. Há títulos ótimos que, mesmo com a cota de tela no cinema [exigência legal de exibição de filmes brasileiros], não têm condições de competir com estrangeiros."

A peça-chave da estratégia traçada por Leopoldo Nunes para o setor é a Programadora Brasil, programa federal que abastece hoje 1.625 pontos de exibição em 850 municípios com um acervo de quase mil obras nacionais.

"A meta é que, em dois anos, chegue a 4.000 títulos. Parte virá da digitalização de obras da Cinemateca [também ligada à secretaria]. Há um potencial enorme para exibir essas obras. Há 18 mil telecentros, as pessoas podem vê-las via internet."

Editoria de Arte/Folhapress

Criada em 2007, a Programadora Brasil registra um público total de 600 mil ao longo de mais de 17 mil sessões.

"Estimo que o número de espectadores passe de dois milhões, pois nem todas as sessões registram o público", diz Caio Cesaro, coordenador da Programadora Brasil. Surgem anualmente, em média, 250 pontos de exibição (cineclubes, centros comunitários, praças, escolas etc.).

A exibição alternativa mostra que o alcance de filmes nacionais vai muito além das estatísticas do circuito comercial. O documentário "O Chamado de Deus" (2001), de José Joffily, por exemplo, levou 4.535 pessoas aos cinemas.

Em pontos de exibição do programa federal, ele foi visto por 3.341 espectadores --ou seja, o público total é 73% maior.

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

TV Smart TV Smart HDMI, LED, Full HD a partir de R$ 999,99

Refrigerador Refrigerador Side By Side, Duplex, Frost Free a partir de R$ 849,00

Home Theater | Tênis | Mais...

Voltar ao topo da página