Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
11/01/2013 - 03h25

China vira terra fértil de plágios na arquitetura

Publicidade

SILAS MARTÍ
DE SÃO PAULO

Quando for inaugurado o novo centro comercial em forma de enormes calombos desenhado pela arquiteta Zaha Hadid em Pequim, seu projeto já terá sido clonado em Chongqing, no sul da China.

Enquanto corre a construção na capital, arquitetos da metrópole emergente copiaram suas plantas e prometem concluir a réplica do projeto antes mesmo do original.

Da mesma forma que chineses já copiaram até nos últimos detalhes a vila austríaca de Hallstatt, a torre Eiffel, a Casa Branca, o Capitólio, o "skyline" de Manhattan e até a capela de Ronchamp, de Le Corbusier, Hadid é a mais nova vítima da indústria do plágio arquitetônico que domina a China contemporânea.

Cidades inteiras nos arredores de Xangai recriam bairros parisienses, o entorno do Tâmisa, em Londres, e até os subúrbios de Los Angeles.

"Está surgindo uma nova economia da cópia na China. Não estamos falando de bolsas ou sapatos", analisa Bianca Bosker, jornalista norte-americana que está lançando um livro sobre o que chama de "duplitetura" chinesa.

"Existe uma longa tradição da cópia entre os chineses. Imperadores reconstruíam palácios de inimigos conquistados para demonstrar superioridade. Copiar não é malvisto, tem a ver com mostrar habilidade técnica. Esses prédios são todos monumentos ao milagre econômico deles."

Mas nem sempre os monumentos resistem. Em defesa do original de Le Corbusier, a fundação que cuida do espólio do arquiteto franco-suíço levou o caso à Justiça e obrigou os chineses a demolirem a cópia da capela de Ronchamp, que na China funcionava como uma churrascaria.

Segundo o jornal "The Guardian", Zaha Hadid também quer levar seus copistas a julgamento nos tribunais.

Num caso mais feliz, a reprodução da vila de Hallstatt ganhou a simpatia da verdadeira, e o prefeito austríaco firmou uma parceria com a gêmea chinesa em Guangdong para reforçar o fluxo de turistas rumo à original.

"Essas gêmeas idênticas, cada uma de um lado do mundo, acabaram forjando laços", diz Sam Jacobs, arquiteto britânico que estuda o caso dos clones arquitetônicos. "Isso leva a uma diplomacia que se dá fora dos canais políticos tradicionais."

Jacobs, aliás, enxerga o fenômeno das cópias fora da China. Ele lembra a casa de vidro de Philip Johnson, cópia de um projeto de Mies van der Rohe que ficou pronta antes do original (ambos nos EUA), e a réplica do Vaticano construída na Costa do Marfim.

Mas enquanto a reprodução africana também funciona como basílica, chineses subvertem ícones do poder. Segundo Bosker, "existe uma simbologia forte em viver numa Casa Branca transplantada para um subúrbio chinês".

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página