Saltar para o conteúdo principal Saltar para o menu

Capital Inicial promete hits de protesto e muito rock no Rio

Publicidade

Nos últimos dias, tem circulado nas redes sociais uma espécie de convocação geral de protestos para o próximo sábado, dia 7 de setembro.

Ao lado de palavras contra a corrupção, há uma foto do vocalista Dinho Ouro Preto, do Capital Inicial, com o rosto pintado de verde e amarelo.

"É sério isso?", pergunta ele sobre o banner e diz não fazer ideia de quem bolou o chamado nem o motivo de tê-lo escolhido.

Leonardo Soares/Folhapress
Dinho Ouro Preto (à dir.) à frente do Capital Inicial em ensaio para o Rock in Rio
Dinho Ouro Preto (à dir.) à frente do Capital Inicial em ensaio para o Rock in Rio

Um pouco mais de conversa e o inusitado começa a fazer sentido.

Uma das bandas brasileiras a tocar no Rock in Rio, o Capital Inicial é das poucas de sua geração que alcançaram para valer o público nascido quando muitas de suas músicas já faziam extensa carreira.

Muito dessa empatia se deve a canções de protesto como "Fátima" e "Veraneio Vascaína", segundo a banda, cantada nos shows por um público quase sempre muito jovem e com a mesma fúria que se viu pela TV durante as manifestações recentes.

"Há um novo parâmetro de participação política sendo definido e eu achei sensacional que não tivesse líder ou fosse ligado a partidos", diz Ouro Preto, que há duas eleições vota nulo --embora não faça disso uma pregação para o seu público imberbe.

O assunto divide a banda ao ponto de quase não conseguir retomar a conversa, que passa para a discussão em torno do repertório que a banda apresentará no Rock in Rio 2013.

"Como é que você vai surpreender o público tendo tocado no mesmo festival há apenas dois anos?", pergunta Ouro Preto, resumindo o dilema na hora de escolher as 14 músicas que serão tocadas ao longo de uma hora, no dia 14 de setembro.

A solução, pensada coletivamente, foi manter 50% do set list de 2011 (onde estão os hits mais antigos) e distribuir a outra metade entre composições mais recentes, dos discos "Das Kapital" (2010) e "Saturno" (2012).

"A única coisa que podemos falar é que vai ter muito, muito rock", diz Ouro Preto, que, quando subir ao palco Mundo, já terá tido um retorno da própria imagem como chamariz de revoltas populares. (RODRIGO LEVINO)

Livraria da Folha

Publicidade
Publicidade

Siga a folha

Publicidade cosac

Envie sua notícia

Publicidade

+ Livraria

Livraria da Folha

Publicidade
Publicidade

Folha Shop

TV LED TV LED Smart, HDMI, Full HD a partir de R$ 899,90

Geladeira Geladeira Side By Side, Duplex, Frost Free a partir de R$ 849,00

Home Theater | Tênis | Mais...

Voltar ao topo da página