Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
10/02/2011 - 23h04

Exposição reúne trajetória de Caravaggio através de manuscritos inéditos

Publicidade

DA EFE, EM ROMA

Papéis nos quais o pintor Caravaggio (1571-1610) anotava suas lembranças e suas preocupações, além de contratos de aluguel e registros policiais são os protagonistas de uma nova exposição sobre a vida do artista italiano, inaugurada nesta quinta-feira em Roma com o nome de "Caravaggio em Roma. Uma vida autêntica".

A mostra, que estará aberta até o dia 15 de maio, incorpora grande quantidade de documentos originais do final do século XVI, que foram extraídos do Arquivo do Estado da Itália e que expõem o lado mais pessoal do artista durante os anos que viveu em Roma, de 1595 até 1606.

Os papéis testemunhais do barbeiro de Caravaggio confirmam que o italiano chegou à cidade com 25 anos e não com 20 como se achava até agora, enquanto outros documentos inéditos demonstram que o artista trabalhou durante vários anos num ateliê que um pintor siciliano chamado Lorenzo Carli tinha na Via della Scrofa.

A exposição, que celebra o quarto centenário da morte do artista, também conta com um contrato de aluguel no nome de Caravaggio, no qual figura uma cláusula que permite ao pintor "quebrar o teto para poder ter mais espaço para suas pinturas de grande formato" além de oferecer mais luz.

O professor de arte Maurizio Calvesi explicou durante a entrevista coletiva de inauguração da exposição que ter descoberto algo assim é "verdadeiramente interessante", pois explica aspectos técnicos do uso da luz nas obras do pintor, e assinalou que o famoso quadro "A morte a Virgem" foi pintado nesse estúdio.

Outro destaque da mostra é a presença do retrato que Caravaggio pintou do papa Pablo V, o pontífice que condenou a morte do artista anos depois.

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página