Saltar para o conteúdo principal
 
12/09/2012 - 16h00

Professores falam sobre plágio e outras fraudes acadêmicas; ouça

FABIO ANDRIGHETTO
da Livraria da Folha

Nos últimos dias de agosto, a Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, deu início a uma investigação sobre uma fraude envolvendo 125 alunos. As semelhanças entre os exames finais levantaram a suspeita de uma "cola em massa" por parte dos estudantes. Segundo o reitor da instituição, um caso sem precedentes.

Siga a Livraria da Folha no Twitter
Conheça nossa página no Facebook

O episódio ganha relevância por se tratar de uma das universidades mais conceituadas do mundo. Harvard formou, entre outros, Barack Obama e Mitt Romney. Se a fraude for comprovada, o escândalo poderá abalar a credibilidade de seus cursos.

Reprodução
Livro contém segredos inconfessáveis, vexames, fraudes e dicas
Este livro contém vexames, fraudes e outros segredos inconfessáveis

Para Hélio Schwartsman, colunista da Folha, o caso --em qualquer parte do mundo-- não é tão surpreendente assim. De acordo com pesquisa Datafolha de 2009, 31% dos brasileiros reconhecem ter colado alguma vez.

Para debater a condição das faculdades, o plágio e as fraudes acadêmicas no Brasil, a Livraria da Folha entrou em contato com três autores que também são professores universitários.

Efraim Rodrigues, doutor pela Universidade de Harvard e autor de "Histórias Impublicáveis sobre Trabalhos Acadêmicos e Seus Autores", contou que deixar o aluno levar trabalho para fazer em casa é comum nos EUA.

"Isso, em certa medida, marca um pouco a noção que as pessoas podem ter de Harvard como uma universidade perfeita, mas, enfim, a perfeição não existe", disse sobre o caso. "É claro que isso pode chegar a um nível de uma cara de pau extremada". Ouça.

Reprodução
Obra investiga casos de trapaças, fraudes e enganos no Brasil
Livro investiga casos de trapaças, golpes, fraudes e enganos no Brasil

Ouça

Dedicado à filosofia da educação e autor de dezenas de títulos sobre o assunto, incluindo "As Lições de Paulo Freire", Paulo Ghiraldelli Jr. afirmou existe uma "indústria de teses" nas universidades brasileiras.

Essa prática atingiu faculdades renomadas --as fraudes já enganaram até bancas de mestrado e doutorado. "[Nos EUA] não é como aqui, que você joga 150 trabalhos para um professor corrigir".

Ouça

Pelo título de seu livro, "Os Contos e os Vigários: Uma História da Trapaça no Brasil", José Augusto Dias Júnior não deveria ser considerado o professor mais fácil de enganar.

Para Dias Júnior, além de um problema do ponto de vista moral, o plágio pode trazer consequências jurídicas e é pedagogicamente inócuo. "O que é particularmente triste no caso do 'copiar e colar' é que o aluno está enganando a si mesmo", disse em entrevista.

Ouça

Rolf Haid/Brainnpix
Fachada do edifício da Universidade de Harvard, em Massachusetts (EUA)
Fachada do edifício da biblioteca da Universidade de Harvard, em Massachusetts (EUA)
 
Voltar ao topo da página