Saltar para o conteúdo principal
 
27/03/2013 - 15h00

Novo livro de Dan Brown entra em pré-venda; leia trecho

da Livraria da Folha

Divulgação
Dan Brown retoma a mistura de história, arte, códigos e símbolos
Dan Brown retoma a mistura de história, arte, códigos e símbolos

"Inferno", novo livro de Dan Brown, tem seu lançamento previsto para o mês de maio no Canadá e nos EUA. No Brasil, o título chega em 7 de junho, publicado pela Arqueiro, e está em pré-venda na Livraria da Folha.

No thriller, Robert Langdon, professor de simbologia de Harvard e protagonista de outros títulos, tenta decifrar um enigma inspirado na obra de Dante Alighieri.

O autor retoma a receita que o consagrou em "O Código Da Vinci", "Anjos e Demônios" e "O Símbolo Perdido", a mistura de história, arte e códigos.

No início de 2004, quatro livros de Dan Brown estiveram ao mesmo tempo na lista de mais vendidos do "New York Times", marca que explica a expectativa dos fãs por "Inferno".

Abaixo, leia um trecho de "Inferno".

*

Os lugares mais sombrios do Inferno são reservados àqueles que se mantiveram neutros em tempos de crise moral.

-

Fatos

Todas as referências históricas e obras de arte, literatura e ciência citadas neste romance são reais.

"O Consórcio" é uma organização secreta com escritórios em sete países. Seu nome foi modificado por questões de segurança e privacidade.

Inferno é o mundo inferior que Dante Alighieri retrata no poema épico A Divina Comédia como um reino de estrutura complexa povoado por entidades conhecidas como "sombras" - almas desencarnadas presas entre a vida e a morte.

-

P R Ó L O G O
Eu sou a Sombra.
Pela cidade atormentada, eu fujo.
Pela eterna desolação, corro para escapar.

Pelas margens do rio Arno, sigo desabalado, ofegante... Viro à esquerda na Via dei Castellani e sigo em direção ao norte, abrigando-me nas sombras da Galleria degli Uffizi.

Mesmo assim eles continuam a me perseguir.

Então, à medida que me caçam com uma determinação implacável, o som de seus passos vai ficando mais alto.

Há anos sou perseguido por eles. Sua persistência me manteve na clandestinidade, forçou-me a viver no purgatório, agindo debaixo da terra qual um monstro ctônico.

Eu sou a Sombra.

Aqui, na superfície, ergo meu olhar para o norte, mas não consigo encontrar um caminho direto para a salvação, pois os montes Apeninos bloqueiam os primeiros raios de sol da alvorada.

Passo atrás do palazzo com sua torre com ameias e seu relógio de um ponteiro só... Em zigue-zague, avanço por entre os comerciantes madrugadores na Piazza Di San Firenze. Quando falam com suas vozes roucas, sinto seu hálito, que recende a lampredotto e azeitonas assadas. Atravessando em frente ao Bargello, dobro novamente à esquerda em direção à torre da Badia e me jogo com força contra o portão de ferro ao pé da escada.

Aqui, toda e qualquer hesitação deve ser abandonada.

Giro a maçaneta e entro no corredor. Sei que não haverá volta. Instigo minhas pernas pesadas como chumbo a galgarem a escadaria estreita, com seus degraus de mármore esburacados e gastos subindo em espiral rumo ao céu.

As vozes ecoam lá de baixo. Suplicantes.

Eles estão atrás de mim, irredutíveis, cada vez mais perto.

Não entendem o que está por vir... tampouco o que fiz por eles!

Terra ingrata!

Enquanto subo, as visões me vêm com toda a força... os corpos libidinosos se contorcendo sob a chuva de fogo, as almas dos glutões flutuando em excremento, os traidores infames congelados nas garras gélidas de Satanás.

Venço os últimos degraus e chego ao topo cambaleando, à beira da morte; saio para o ar úmido da manhã. Corro até o muro que se ergue à altura da minha cabeça e espio pelas frestas. Lá embaixo estende-se a cidade abençoada que tornei meu santuário contra aqueles que me exilaram.

As vozes me chamam, aproximando-se por trás de mim.

- O que você fez é uma loucura!

Loucura gera loucura.

- Pelo amor de Deus - gritam eles -, diga-nos onde a escondeu!

É exatamente pelo amor de Deus que não direi.

Aqui estou, encurralado, as costas contra a pedra fria. Eles olham no fundo dos meus olhos verdes e límpidos, e seus rostos ficam carregados: sua expressão, antes persuasiva, agora é ameaçadora.

- Você sabe que temos nossos métodos. Podemos forçá-lo a nos contar onde está.

Por isso subi metade do caminho até o Céu.

Sem aviso, eu me viro e ergo os braços, agarrando o parapeito alto com os dedos, içando meu corpo, ajoelhando-me às pressas em cima do muro. Depois me ponho de pé... oscilo à beira do precipício. Seja o meu guia, caro Virgílio, enquanto atravesso o vazio.

Eles disparam à frente, incrédulos, querendo agarrar meus pés, mas temendo que eu perca o equilíbrio e caia. Com um desespero contido, começam a implorar, mas eu já lhes dei as costas. Sei o que devo fazer.

Lá embaixo, a uma distância vertiginosa, telhas vermelhas se espalham como um mar de fogo pelo campo... iluminando a bela terra um dia povoada por gigantes... Giotto, Donatello, Brunelleschi, Michelangelo, Botticelli.

Aproximo os dedos dos pés da beirada.

- Desça! - gritam eles. - Ainda há tempo!

Ó, ignorantes obstinados! Por acaso não conseguem ver o futuro? Não conseguem entender o esplendor da minha criação? Como ela é necessária?

É com prazer que faço este último sacrifício... e com ele extinguirei suas últimas esperanças de encontrar o que buscam.

Vocês jamais conseguirão localizá-la a tempo.

Centenas de metros lá embaixo, a piazza de paralelepípedos me chama como um oásis de serenidade. Como eu gostaria de ter mais tempo... Porém esse é o único bem que nem mesmo minha enorme fortuna pode comprar.

Nestes últimos segundos, baixo os olhos em direção à piazza e vislumbro algo que me deixa perplexo.

Vejo o seu rosto.

Em meio às sombras, você tem os olhos erguidos para mim. Estão pesarosos, mas neles também percebo reverência pelo que fui capaz de fazer.

Você entende que não tenho escolha. Por amor à humanidade, devo proteger minha obra-prima.

Neste exato momento, ela cresce... à espera... fervilhando sob as águas rubras de sangue da lagoa que não reflete as estrelas.

Então tiro meus olhos dos seus e contemplo o horizonte. Muito acima deste mundo oprimido, faço minha última súplica.

Queridíssimo Deus, rogo-lhe que o mundo se lembre do meu nome não como um pecador monstruoso, mas como o salvador glorioso que o Senhor sabe que na verdade sou. Rogo que a humanidade entenda o presente que deixo.

Meu presente é o futuro.

Meu presente é a salvação.

Meu presente é o Inferno.

Com essas palavras, sussurro amém... e dou o último passo para mergulhar no abismo.

*

"Inferno"
Autor: Dan Brown
Editora: Arqueiro
Páginas: 464
Quanto: R$ 32,90 (preço promocional de pré-venda*)
Onde comprar: pelo telefone 0800-140090 ou pelo site da Livraria da Folha

* Atenção: Preço válido por tempo limitado ou enquanto durarem os estoques. Não cumulativo com outras promoções da Livraria da Folha. Em caso de alteração, prevalece o valor apresentado na página do produto.

Texto baseado em informações fornecidas pela editora/distribuidora da obra.

 
Voltar ao topo da página