Saltar para o conteúdo principal
 
14/05/2013 - 16h32

Nos últimos 150 anos, já tentaram de tudo para a 'cura gay', diz livro

da Livraria da Folha

A tentativa de transformar homossexuais em héteros usando métodos "científicos" já tem mais de 150 anos. A medicina, segundo os pesquisadores James Naylor Green e Ronaldo Polito, já tentou de tudo para "curá-los".

Homofobia deve ser tratada como doença, diz analista
'Amor entre Meninas' fala sobre o momento de 'sair do armário'
Leia relato de adolescente transgênero

"Confinamento, choques elétricos, medicação pesada, tratamento psicológico ou psiquiátrico, psicanálise individual, de grupo e familiar, camisa de força, transplante de testículos, eis aí algumas das "técnicas" de intervenção no corpo e na mente dos homens que preferem se relacionar afetiva e sexualmente com outros homens", contam em "Frescos Trópicos".

O título faz parte da coleção "Baú de Histórias", coordenada pela historiadora Mary Del Priore, autora "Histórias Íntimas", "Ancestrais: Uma Introdução à História da África Atlântica", "A Família no Brasil Colonial", "500 Anos Brasil: Histórias e Reflexões, "Festas e Utopias no Brasil Colonial" e "Matar para Não Morrer" e do recém-lançado "O Castelo de Papel".

No livro, os autores examinam o período entre as décadas de 1870 e 1980, fundamentados em informações publicadas nessa época. Abaixo, leia trecho de "Frescos Trópicos".

*

Divulgação
Acompanha o surgimento lento de uma consciência sobre a homossexualidade
Autores examinam o período entre as décadas de 1870 e 1980

Pode-se dizer que a medicina, nos últimos 150 anos, já tentou ou propôs de tudo para a "cura" dos homossexuais. Confinamento, choques elétricos, medicação pesada, tratamento psicológico ou psiquiátrico, psicanálise individual, de grupo e familiar, camisa de força, transplante de testículos, eis aí algumas das "técnicas" de intervenção no corpo e na mente dos homens que preferem se relacionar afetiva e sexualmente com outros homens.

Entre inúmeros exemplos do passado, citemos Pires de Almeira, em "Homossexualismo", de 1906, que propõe um tratamento específico para os invertidos. Mas, primeiro, vamos entender o que ele chama de "invertido": "é aquele que, de nascença, é já invertivo, e que, em toda a associação sexual, representa o papel de macho: é, pois, um macho mais macho, se se trata de um homem". "Invertidos", portanto, nascem homossexuais, diferentemente dos "pervertidos" que, segundo o autor, "depois de terem sido já sexuais normais, se tornaram invertidos por qualquer motivo".

Para Pires de Almeida, o tratamento dos "pervertidos" é somente um pouco mais simples do que dos "invertidos". Para estes ele recomenda, entre outros procedimentos:

"O invertido deveria ser acompanhado desde a infância, vigiado por uma espécie de tutor que, à feição de um aparelho ortopédico moral, fosse-lhe obstáculo ao desvio, trabalhando pertinentemente para que a consolidação se efetue em absoluto. (...)

Antes de tudo, devemos lembrar que tais desregramentos são puramente moléstias mentais; e, por isso, aconselharei, quando não tenhamos acompanhando o indivíduo desde a infância, e hajamos iniciado o tratamento em idade tardia, medicá-lo pela estética sugestiva; isto é, por meio do magnetismo e da sugestão combinados: bem orientar-lhe o espírito, dirigindo sua atenção para a beleza das formas femininas, cercá-lo de modelos célebres em pintura, na estatuária principalmente, e obrigá-lo à leitura de obras românticas em que tais belezas despertem as paixões tumultuosas. Facilitar-se-lhe-á o encontro com mulheres plasticamente sensuais, fáceis às carícias, graciosas, faceiras; não se hesitará até diante de certos subterfúrgios a princípio, tal como, por exemplo, o de provocar o coito do invertido com mulheres vestidas de homem; ou mesmo obrigá-lo a pernoitar com mulheres completamente nuas, ainda que não as goze.

Se, porém, existe, da parte do doente, repulsão invencível para as sociedades ambíguas, recorrer-se-á à convivência em outro meio: mulheres atraentes, sim, porém puras, puríssimas, virtuosas: o seio perfumado das famílias.

*

"Frescos Trópicos"
Autores: Ronald Polito, James Naylor Green
Editora: José Olympio
Páginas: 196
Quanto: R$ 23,90 (preço promocional*)
Onde comprar: pelo telefone 0800-140090 ou pelo site da Livraria da Folha

* Atenção: Preço válido por tempo limitado ou enquanto durarem os estoques. Não cumulativo com outras promoções da Livraria da Folha. Em caso de alteração, prevalece o valor apresentado na página do produto.

Texto baseado em informações fornecidas pela editora/distribuidora da obra.

 
Voltar ao topo da página