Saltar para o conteúdo principal
 
18/01/2016 - 10h34

Em 'Segredos do Romance Policial', P.D. James explora a história do gênero literário

da Livraria da Folha

Gênero com autores populares em diversos países, da Suécia ao Brasil, o romance policial surgiu com o norte-americano Edgar Allan Poe, autor do famoso poema "O Corvo", e foi consolidado pelo escocês Arthur Conan Doyle, que criou o célebre detetive Sherlock Holmes.

Divulgação
P.D. James percorre mais de cem anos de existência dos livros de detetive e descreve as principais mudanças
P.D. James percorre mais de cem anos de existência dos livros de detetive e descreve as principais mudanças

Durante o século 20, as histórias de crime e mistério foram exploradas por diversos outros grandes nomes da literatura: Agatha Christie, Dorothy L. Sayers, Dashiell Hammett e Raymond Chandler. É essa revolução na escrita de livros policiais que P. D. James revela em "Segredos do Romance Policial".

No livro, ela percorre mais de cem anos de existência dos livros de detetive, descreve as mudanças pelas quais o gênero passou ao longo do tempo e apresenta os autores essenciais em língua inglesa.

Além disso, analisa as diferentes etapas de criação das obras, como a ambientação e o cenário, a caracterização dos personagens, a estrutura ficcional e o desenvolvimento da narrativa.

"O romance policial é especialmente popular em momentos de inquietação, ansiedade e incerteza, quando a sociedade se depara com problemas que nem o dinheiro, nem as teorias políticas, nem as boas intenções parecem capazes de resolver e aliviar", explica P.D. James.

Abaixo, leia um trecho.

*

Quatro mulheres tremendas

Já se gastaram resmas de papel na tentativa de desvendar o segredo do sucesso de Agatha Christie. Escritores que investigam o fenômeno começam normalmente com a aritmética de suas conquistas: só a Bíblia e Shakespeare venderam mais do que ela, traduzida para mais de cem idiomas, autora da peça que mais tempo ficou em cartaz em Londres e, além disso, agraciada com prêmios que o sucesso reserva geralmente apenas aos mais elevados talentos literários - dame do Império Britânico e um título honorário de doutora em literatura pela Universidade de Oxford. A questão permanece: como essa senhora bem-criada, essencialmente eduardiana, conseguiu isso?

Com toda certeza o apelo universal de Christie não repousa em sangue ou violência, não nos corpos crivados de balas nas ruas perigosas de Raymond Chandler, na selva de pedra do detetive sardônico, rápido no gatilho e gozador, nem na cuidadosa análise psicológica da depravação humana. Embora seus dois detetives, Poirot e miss Marple, de vez em quando investiguem assassinatos no exterior, seu mundo natural, conforme percebido pelos leitores, é uma aconchegante e romantizada cidadezinha inglesa, enraizada em nostalgia, com sua hierarquia bem ordenada: o cavalheiro rico (muitas vezes com uma jovem esposa de antecedentes misteriosos), o coronel aposentado irascível, o médico de aldeia e a enfermeira regional, o farmacêutico (útil para a compra de veneno), as solteironas fofoqueiras atrás das cortinas de renda, o pároco local, todos se movimentando previsivelmente em sua hierarquia social como num tabuleiro de xadrez. Seu estilo não é nem original, nem elegante, mas é como um trabalhador. Faz o que é exigido dele.

Christie não usa grande sutileza psicológica em suas caracterizações; seus vilões e suspeitos são desenhados em traços amplos e claros e, talvez por causa disso, têm uma universalidade que leitores do mundo inteiro podem reconhecer instantaneamente e com a qual se sentem à vontade. Acima de tudo, ela é uma prestidigitadora literária que coloca as cartas de baralho com seus personagens viradas com a face para baixo e as embaralha com experiente destreza. Jogo após jogo, temos certeza de que dessa vez vamos virar a carta com o verdadeiro assassino, e toda vez sua astúcia nos derrota. E, quando se trata de um mistério de Agatha Christie, nenhum suspeito pode ser eliminado com segurança, nem mesmo o narrador da história.

Com outros escritores de mistério da Era Dourada, podemos ter uma razoá¬vel confiança de que o assassino não será um dos enamorados jovens e atraentes, um policial, uma criada ou uma criança, mas com Agatha Christie não há favoritos nem entre assassinos, nem entre vítimas. A maioria dos autores de mistério hesita, como eu, em matar os muito jovens, mas ela é dura, tão disposta a matar uma criança, claro que uma criança precoce e inimputável, quanto a dar fim num chantagista. Com a sra. Christie, assim como na vida, a única certeza é a morte.

Talvez sua maior força esteja em nunca ter ultrapassado os limites de seu talento. Ela sabia precisamente o que era capaz de fazer e fazia bem. Durante mais de cinquenta anos, essa mulher tímida e convencional produziu mistérios de assassinato de extraordinária destreza imaginativa. Com uma produção imensa, a qualidade é inevitavelmente irregular - alguns de seus últimos livros, em especial, revelam uma triste decadência -, mas em sua melhor forma a engenhosidade é assombrosa. Sua habilidade fundamental como contadora de histórias é o talento de enganar, e é possível identificar alguns dos truques, com frequência verbais, com os quais ela nos induz, com delicada esperteza, a enganarmos a nós mesmos.

Com o tempo, quase alcançamos a esperteza da autora. Tomamos cuidado ao entrar naquela que é a mais letal das salas, a biblioteca da casa de campo, suspeitamos do desocupado insinuante que volta de terras estrangeiras e atentamos cuidadosamente aos espelhos, aos gêmeos e aos nomes andróginos. Ela gosta sobretudo de uma versão do eterno triângulo em que um casal, aparentemente feliz no noivado ou no casamento, é ameaçado por uma terceira pessoa, às vezes predatória e rica. Quando a vítima é assassinada, há pouco mistério quanto ao suspeito principal. Só no fim do livro Christie gira o triângulo e reconhecemos que ele estava de ponta-cabeça o tempo todo. E suas pistas são brilhantemente criadas para confundir. O mordomo olha de perto um calendário. Ela planta assim em nossa mente a suspeita de que uma pista crucial está relacionada com datas e horários, mas a pista, na verdade, é que o mordomo é míope.

*

SEGREDOS DO ROMANCE POLICIAL
AUTOR P. D. James
TRADUTOR José Rubens Siqueira
EDITORA Três Estrelas
QUANTO R$ 29,70 (preço promocional *)

* Atenção: Preço válido por tempo limitado ou enquanto durarem os estoques.

-

 
Voltar ao topo da página