Saltar para o conteúdo principal
 
27/04/2017 - 13h49

No século 15, Papa Pio II escreveu romance erótico sobre amor proibido

da Livraria da Folha

O Renascimento pode ter visto a Igreja Católica no auge de seu poder e riqueza, mas inúmeras licenças sexuais e escândalos de corrupção financeira também fizeram parte de sua história. Naquela época, o clero vivia de tal forma que dificilmente um padre não tinha uma amante. Os números surpreendem: ao todo, 6.800 meretrizes viviam em Roma naquele período.

Divulgação
Ilustrado com 180 fotografias, pinturas e ilustrações, livro revela o lado infame da fé cristã
Ilustrado com 180 fotografias e pinturas, livro de Michael Kerrigan revela o lado mais infame e chocante da fé cristã

Quem tem história para contar é o papa Pio II. Antes de se estabelecer como papa ou até mesmo como padre, Eneas Silvius Piccolomini foi escritor de renome e um grande estudioso. Em "A História Secreta da Igreja", Michael Kerrigan explica que havia algo de estranho em sua sabedoria para um homem de Deus.

"Um exemplo é seu tratado 'The Institution of the Nobleman' (A Instituição do Nobre) em que recomenda que seus leitores encontrem uma fuga para a frustração sexual em casos extraconjugais", escreve o autor.

Outra história curiosa envolvendo o pontífice envolve seu segundo romance, intitulado "História de Dois Amantes". A obra narrava a história de Euríalo, que se relacionava com Lucrécia, sua amante casada. Escrito em forma de cartas entre os amantes, o conteúdo era bastante erótico e ficou entre os mais populares da Europa no século 15.

Outra peculiaridade que o autor comenta ocorreu no século 17. John Bale, historiador inglês e panfletário protestante, insistiu que Sisto IV desse aos seus cardeais "a autorização para cometer sodomia durante períodos de clima quente".

"Um certo ceticismo é necessário ao abordar o diário contemporâneo de Stefano Infessura, que repetidamente se refere a Sisto como sodomita e afirma que ele distribuiu ofícios na Igreja em troca de favores sexuais, tendo sido Pietro, seu sobrinho, um dos maiores beneficiários", escreve Michael Kerrigan.

Ele ressalta que Infessura era republicano e inimigo político do papa, e portanto suas afirmações podem não ser totalmente verdadeiras. E questiona: "mas o que dizer de um depoimento similar do embaixador veneziano e mestre de cerimônias do próprio papa, Johann Burchard?".

Ilustrado com 180 fotografias, pinturas e ilustrações, "A História Secreta da Igreja" revela diversas histórias macabras que mostram o lado infame da fé cristã. O livro faz parte da coleção "A História Secreta". A série reúne relatos de imperadores, papas e reis que, detendo grande poder, tomaram decisões dignas de grandes psicopatas. A série é composta por quatro títulos, todos com capa dura e em edição de luxo.

*

A HISTÓRIA SECRETA DA IGREJA
AUTOR Michael Kerrigan
EDITORA Europa
QUANTO R$ 71,90 (preço promocional *)

* Atenção: Preço válido por tempo limitado ou enquanto durarem os estoques.

-

 
Voltar ao topo da página