Saltar para o conteúdo principal
 
07/10/2017 - 15h02

'Flores, Votos e Balas' destaca relevância do movimento abolicionista

da Livraria da Folha

Embora a abolição da escravatura tenha sido amplamente discutida - suas causas econômicas, as resistências judiciais e cotidianas, as revoltas e as fugas de escravos -, ela ainda não foi plenamente reconhecida como um movimento relevante.

Divulgação
Autora utiliza a trajetória de cinco ativistas para destacar a relevância do movimento abolicionista
Em livro, autora utiliza a trajetória de cinco ativistas para destacar a relevância do movimento abolicionista

Joaquim Nabuco, um de seus líderes, atribuiu a libertação dos escravos à magnanimidade da casa imperial. No centenário da Lei Áurea, em 1988, estudiosos e ativistas do movimento negro contestaram essa versão e ressaltaram a resistência dos cativos: em vez da liderança da dinastia, o protagonismo dos escravos. Em vez da princesa Isabel, Zumbi.

"Flores, Votos e Balas", de Angela Alonso, conta a história do movimento pela abolição da escravidão, reconstruindo a trajetória da rede de ativistas, associações e manifestações públicas antiescravistas que, seguindo o exemplo de outros países, conformou um movimento social nacional.

Num jogo que se estendeu por duas décadas, de 1868 a 1888, o movimento operou sucessivamente com flores (no espaço público), votos (na esfera político-institucional) e balas (na clandestinidade).

No livro, a autora utiliza a trajetória de cinco ativistas para destacar a relevância do movimento abolicionista para o fim da escravidão. São eles André Rebouças, Abílio Borges, Luís Gama, José do Patrocínio e Joaquim Nabuco.

*

FLORES, VOTOS E BALAS
AUTOR Angela Alonso
EDITORA Companhia das Letras
QUANTO R$ 59,90 (preço promocional *)

* Atenção: Preço válido por tempo limitado ou enquanto durarem os estoques.

-

 
Voltar ao topo da página