Saltar para o conteúdo principal
 
09/02/2018 - 10h11

Roubo de livro raro movimenta trama de "Tudo Pode Ser Roubado"

WILLIAM MAGALHÃES
da Livraria da Folha

Divulgação
Garçonete trambiqueira é protagonista do romance de Giovana Madalosso; livro anterior da autora traz contos sobre o feminino
Garçonete trambiqueira é protagonista do romance; livro anterior da autora traz contos sobre o feminino

Quando enviou o original de "Tudo Pode Ser Roubado" para a Todavia, Giovana Madalosso tinha apenas a metade da história pronta.

O retorno foi positivo. Pediram que ela terminasse a obra e mandasse o restante para a editora.

A partir daí foram três meses para concluir o romance. O trabalho, no entanto, levou cerca de dois anos antes de chegar ao último ponto final, conta a autora em entrevista à Livraria da Folha durante evento de apresentação do livro a membros do mercado livreiro na sede da casa editorial.

Giovana, que estreou na literatura em 2016 com o livro de contos "A Teta Racional", é roteirista e redatora freelancer e divide seu tempo intercalando períodos de trabalho com meses exclusivos para se dedicar ao fazer literário.

"Quanto mais horas escrevo, quanto mais me envolvo com o livro, sinto que vou trabalhando melhor o meu texto", revela Giovana.

A divisão do tempo dessa maneira permite uma imersão no universo ficcional. "Eu vou praticamente descolando da realidade. Até brinco que pode ser que um dia eu saia de pijama de casa para comprar uma água, porque eu realmente mergulho".

Na trama, a garçonete de um conhecido restaurante na região da Avenida Paulista acumula uma boa parte das suas economias nas horas vagas, aproveitando encontros fortuitos nas casas de homens e mulheres aleatórios para roubar roupas de grife e objetos de valor.

Em dado momento, um desconhecido a aborda lhe oferecendo uma bolada para roubar um livro, mas não qualquer livro. O objetivo é afanar a primeira edição de "O Guarani", de 1857, arrematada em leilão por um professor universitário que se recusa a vendê-la.

A partir daí, a protagonista entrará cada vez mais em um estranho submundo que mistura um milionário excêntrico, drogas e sexo.

Sobre a escolha da obra de José de Alencar, Giovana diz não ter nenhuma "paixão específica" pelo título, mas há dez anos quando morava em Lisboa, descobriu sobre o mercado das obras raras.

"Os Lusíadas custava 150 mil euros, Dom Quixote 500 mil", comenta. Para a história que planejava escrever e que resultou em "Tudo Pode Ser Roubado" pesquisou o que havia na literatura brasileira que pudesse ter um valor alto e que justificasse narrativamente a trama do roubo.

O universo da protagonista não é totalmente alheio às próprias experiências de Giovana. Além de fazer parte da família Madalosso, proprietária do tradicional restaurante de Curitiba e considerado um dos maiores do mundo, com capacidade para 4.600 pessoas, a autora também trabalhou como garçonete quando morou fora do país.

Questionada pela reportagem se há alguma coisa que não pode ser roubada, ela dá risada. "Tem essa discussão, esses dois vigaristas... ela meio que se apaixona por ele e eles acabam se falando bastante. Num momento do livro tem essa discussão e não posso adiantar, porque se não vai ser spoiler. Tem que ler pra saber", finaliza.

*

TUDO PODE SER ROUBADO
AUTORA Giovana Madalosso
EDITORA Todavia
QUANTO R$ 44,90 (preço promocional*)

* Atenção: Preço válido por tempo limitado ou enquanto durarem os estoques.

-

 
Voltar ao topo da página