Saltar para o conteúdo principal Saltar para o menu

Ignorar sustentabilidade é um erro econômico, diz ex-vice-ministro alemão

Publicidade

Um economista que chega a vice-ministro de Finanças de uma potência do porte da Alemanha, como Caio Koch-Weser, não tem tempo para platitudes sobre o aquecimento global.

São os números que interessam, e eles não faltaram na palestra sobre mudança climática e desenvolvimento sustentável que o brasileiro de Rolândia (PR) deu no último dia 18 no Instituto Fernando Henrique Cardoso.

Eram tantas as cifras que os ouvintes mal conseguiam anotar. Um entre muitos: superam meio trilhão de dólares os subsídios anuais concedidos no mundo para os combustíveis fósseis (petróleo, carvão e gás natural) que agravam o efeito estufa.

Keld Navntoft - 8.out.12/AFP
Caio Koch-Weser, ex-ministro das finanças da Alemanha
Caio Koch-Weser, ex-ministro das finanças da Alemanha

É a melhor resposta para quem acha que as energias alternativas são caras e só sobrevivem com subsídios.

Koch-Weser acha que é hora de atribuir um preço ao carbono --ou seja, ao dióxido de carbono (CO²) emitido na queima desses combustíveis-- e dar ao mercado os sinais corretos, sem escamotear o que os economistas chamam de externalidades (efeitos colaterais, como o aquecimento global).

"Quero que o mercado funcione, com os incentivos e preços corretos", diz o vice-presidente do Deutsche Bank. "Precisamos da iniciativa e das inovações de empresas, o que só se obtém numa economia de mercado."

Koch-Weser está preocupado com a entrada de 3 bilhões de pessoas na classe média mundial, nos próximos 25 anos, porque não haverá terra e outros recursos naturais para garantir-lhes padrões de consumo --energia, gasolina, carne-- comparáveis aos dos americanos.

Para ele, o Brasil ocupa situação privilegiada, mas acha que virá antes da China a liderança tecnológica para o mundo desenvolver uma economia de baixo carbono --por força do risco de distúrbios sociais que a poluição já suscita no país asiático.

Leia a seguir trechos da entrevista realizada por telefone na sexta-feira, do Rio de Janeiro, onde Koch-Weser participou da conferência Urban Age, organizada pelo Deutsche Bank e pela London School of Economics.

*

Folha - Qual é hoje o principal obstáculo para a sustentabilidade da economia mundial e o que podemos e devemos fazer para enfrentá-lo?

Caio Koch-Weser - Há dois gargalos principais. Um é a governança e o outro são os incentivos. Somos um mundo muito multipolar, hoje, mas fracos na governança multilateral, nas Nações Unidas e no G20. No caso dos bens e males públicos globais, como a mudança do clima e outros, não temos os sistemas adequados não só para debater, mas para tomar decisões e monitorar sua execução. Acredito em alianças e coalizões de países, cidades e companhias com mentalidades semelhantes para liderar e obter avanços.

O outro problema é o dos incentivos. Precisamos de um preço para o carbono, precisamos precificar as externalidades, os efeitos colaterais das políticas na escala global, seja para água, energia ou carbono, que reflita a escassez ou os danos. Precisamos do incentivo --para setores, empresas e domicílios-- do preço do carbono, por meio de um imposto sobre as emissões ou de um sistema "cap-and-trade" [cotas e comercialização de permissões para emitir].

O sr. tem uma bem-sucedida carreira em finanças e desenvolvimento e hoje preside a Fundação Europeia do Clima. Ela tem em vista uma economia de baixo carbono, meta que em alguns setores e países é vista como uma ameaça à liberdade empresarial. A agenda da mudança climática é uma agenda anticapitalista?

De modo algum. Quero que o mercado funcione, com os incentivos e preços corretos. Precisamos da iniciativa e das inovações de empresas, o que só se obtém numa economia de mercado.

A Fundação Europeia do Clima é hoje a fundação mais importante da Europa com o objetivo claro e definido de reduzir as emissões de CO2, por meio de consultoria de políticas públicas, campanhas e aconselhamento de empresas e uma equipe competente de cerca de 70 especialistas. Seu aspecto inovador é ser financiada por várias outras fundações de fomento, do mundo todo, inclusive americanas.

Só para dar um exemplo, trabalhamos com a Comissão Europeia em cenários e roteiros de energia para 2050, sobre como descarbonizar o setor de eletricidade, como aumentar a eficiência do setor de transportes. Trabalhamos tecnicamente, somos independentes e financiados globalmente.

Acredito firmemente que precisamos do que chamo de coalizões de empresas progressistas, como faz a Unilever com outras companhias para a descarbonização de sua cadeia de suprimentos. Precisamos do mercado. O setor privado diz: dê-me um preço para o carbono que eu dou conta do recado. Mas tem de ser um preço confiável, previsível, que tenha longevidade e credibilidade.

A mudança climática é a única razão para buscar uma economia de baixo carbono, ou há outras razões econômicas e financeiras para isso?

Isso tudo está inter-relacionado. Gosto de falar de um triângulo: terra, ou produção de alimentos; água, disponibilidade e manejo; e energia. Se esse triângulo interdependente for administrado da maneira correta, é claro que terá impacto no clima.

Uma das crises principais será a da água. Basta olhar para o Oeste dos Estados Unidos, a China, a Índia, vários lugares. O Brasil está fora, tem tudo --terra, água e energia. É uma responsabilidade e uma oportunidade.

São 3 bilhões de pessoas que vão entrar na classe média nos próximos 25 anos. Temos de incluir nas políticas de mudança climática não só a redução de CO2, mas um uso de recursos naturais vastamente mais eficiente. No futuro teremos de medir a produtividade também pelo uso eficiente de recursos, como medimos hoje a produtividade do trabalho. Trata-se de um novo paradigma, em que a qualidade será mais importante que o ritmo, a velocidade e a quantidade de crescimento.

Por que um investidor deveria buscar oportunidades em empresas que tenham objetivos de redução de carbono e outras metas ambientais? Buscar o máximo de rentabilidade não é sua primeira responsabilidade?

É uma boa questão. Cada vez mais os conselhos de administração estão pensando no longo prazo, mais até que os governos. As grandes empresas estão pensando em infraestrutura, investimentos em energia e tecnologia que vão além do ciclo eleitoral dos políticos. E, se elas olharem para essas questões de maneira corajosa, vão ter de chegar à conclusão de que correm um risco se não as entenderem direito, seja por causa da escassez de recursos naturais, seja pela poluição, política de clima ou mudança de comportamento. Podem terminar investindo ativos enormes em infraestrutura, por exemplo, com grande intensidade em energia, como o carvão, que não sobreviverá duas décadas.

As empresas precisam pensar politicamente ao administrar os riscos da energia, e não só no curto prazo. Eu sou um otimista: cada vez mais os investidores institucionais, empresas de resseguros, fundos de pensão que têm de pensar no longo termo ao investir seus ativos estão entendendo e exigindo o que se chama de sustentabilidade ambiental, social e de governança [ESG, na abreviação em inglês]. As empresas que se saírem bem vão receber um prêmio no modo como se financiarão.

Não chegamos ainda lá, mas estamos entrando num rumo que pode envolver trilhões em investimentos. Para dar apoio para isso, acredito que precisamos de um sistema integrado de balanços, além do financeiro, que inclua a sustentabilidade. Isso, sim, seria uma grande ajuda, mais do que qualquer acordo entre governos.

Até a crise de 2008/2009, a questão do ambiente global era promovida pela União Europeia, emperrada pelos EUA e aceita com desconfiança por países emergentes, que a encaravam como alavanca para obter mais ajuda para o desenvolvimento. Em que medida se alterou esse equilíbrio, que invariavelmente conduzia a impasses?

A crise financeira e econômica de 2008 nos fez andar para trás. Eram tantas as crises para administrar, na Europa e noutros países, que tornou muito difícil para os políticos e até para o público em geral pensar no longo prazo.

Mas [o assunto] está voltando. E aqui, de novo, a oportunidade é pensar, ao sair da crise, no que serão os futuros vetores e motores do crescimento e da competitividade numa economia de baixo carbono, de enxergar não só os custos da infraestrutura e da tecnologia, mas também as oportunidades.

Esse é o debate entre muitos economistas, entre economistas ortodoxos e os da nova economia. Os grandes nomes estão começando a entender que a teoria e a análise econômicas não favorecem a consideração desses riscos de longo prazo.

A China já entendeu isso e está trabalhando em energias renováveis e novas tecnologias, também como uma oportunidade para exercer liderança tecnológica no futuro.

A frota de veículos na China está alcançando a dos EUA, mas o país tem uma população quatro vezes maior, 1,3 bilhão de pessoas. Tem reservas de carvão para mais de 50 anos e já é o maior poluidor do planeta. É realista esperar que reduza suas emissões de carbono de maneira que faça diferença para o mundo?

Eles simplesmente não têm como evitar isso, no longo prazo. Por simples matemática, se extrapolarmos os números para o futuro, os sistemas urbanos, os níveis de poluição das cidades, que já estão entre os piores do mundo, não serão toleráveis. Além do problema da água, dos recursos naturais e todo o resto.

A liderança na China é muito qualificada, são engenheiros que entendem a ciência, a tecnologia. Você está certo em dizer que a China andou na direção errada. Trabalhei com a China pelo Banco Mundial já no começo dos anos 1980, e a oportunidade de percorrer uma trilha diferente de desenvolvimento, por exemplo no sistema de transportes urbanos, foi perdida.

A questão agora é a demanda popular. A poluição em Pequim e outros lugares, hoje, é tão ruim que já causa distúrbios sociais, por causa dos efeitos imediatos na saúde. Eles estão agudamente cientes disso. E a legislação aprovada em junho tem grande alcance. Eles vão atingir o máximo da produção de carvão mineral, em termos absolutos, antes do previsto, antes de 2020. É algo enorme, será preciso encontrar as fontes alternativas, mas eles identificaram o problema do carvão.

Eu não ficaria surpreso se os chineses avançassem na questão dos carros elétricos para o transporte urbano. Eles têm a capacidade política e administrativa para fazer a coisa certa e adotar medidas corretas na eletrificação. Será interessante ver, no mês que vem, o plano de reformas da nova liderança. Haverá muita ênfase em sustentabilidade, tecnologia, transportes, sistema de energia e cidades. Acho que a capacidade institucional, que tantos outros países não têm, é muito melhor na China.

E eles têm a vantagem de ser uma ditadura. É mais fácil implementar essas medidas do que numa democracia.

Eu diria que eles têm a disciplina e um sistema administrativo que pode tornar a execução muito melhor. Veja os outros países Ðeles podem ter as políticas corretas, mas a execução é ruim.

O governo brasileiro reduziu a emissão de carbono ao conter o desmatamento na Amazônia, mas esse era o fruto mais fácil de colher. O modelo de desenvolvimento do país, baseado na indústria automobilística, no petróleo do pré-sal, no uso crescente de termelétricas e na exportação de commodities agrícolas, não aponta na direção oposta?

Não acho que seja uma questão de preto-ou-branco. Primeiro, a sociedade civil no Brasil, seu governo e o setor privado estão mais conscientes das questões de sustentabilidade. Fiquei encorajado com as discussões que tive aqui, com empresários e outros. No que respeita ao desmatamento, as políticas são boas. Podem ser aperfeiçoadas, mas a verdadeira questão, como em outros países, é a execução. É uma tarefa enorme, num país como o Brasil.

Em segundo lugar, é preciso precaver-se para não andar para trás, por causa do processo político. A Espanha retrocedeu na questão da energia solar. É o pior que se pode fazer para os investidores. Você precisa de certeza, longevidade e previsibilidade das políticas.

O Brasil tem uma oportunidade enorme de combinar crescimento com sustentabilidade. Em grande medida já é sustentável, quando se considera a energia hidrelétrica, o etanol. Com as políticas e os incentivos corretos, e mais capacidade institucional, o Brasil tem mais condições que outros países para fazer essa transição e até liderá-la.

Livraria da Folha

Publicidade
Publicidade

Siga a folha

Envie sua notícia

Publicidade cosac
Publicidade

+ Livraria

Livraria da Folha

Publicidade
Publicidade

Folha Shop

TV LED TV LED HDMI, Full HD a partir de R$ 899,90

Geladeira Geladeira Side By Side, Duplex, Frost Free a partir de R$ 849,00

Home Theater | Tênis | Mais...

Voltar ao topo da página