Descrição de chapéu BBC Brasil

O país que usa o calor da internet para aquecer casas

ERIN BIBA
DA BBC BRASIL

"A nuvem" é um lugar real. As fotos que você publica no Instagram, o feliz aniversário que escreve em um perfil do Facebook e os programas de TV a que assiste no Netflix não estão guardados em um conjunto de gotas no céu. Eles ficam armazenados em servidores que estão conectados e organizados em torres dentro de armazéns gigantes.

Poucas pessoas se aventuram nos centros de armazenamentos de dados. Na capital sueca de Estocolmo, a reportagem da BBC entrou nesses labirintos e descobriu que eles não estão apenas hospedando informação. Todo o calor que essas estruturas liberam está ajudando a aquecer casas na cidade, que tem mais de 900 mil habitantes.

Mas como essa estratégia funciona? Ela poderia criar um novo modelo de negócios para a indústria de tecnologia no mundo todo?

NO LABIRINTO

Ao caminhar dentro de um centro de dados, é possível perceber algumas coisas: o ar é frio e seco; todas as superfícies são muito limpas; as torres de servidores têm milhares de luzes que piscam sem parar e raramente há outras pessoas por ali. Em todos os lugares, no teto e debaixo das tábuas removíveis do chão, há cabos em todas as direções.

Mas, acima de tudo, o ambiente é muito barulhento. Isso acontece porque os computadores ficam quentes e são necessários muitos ventiladores para mantê-los refrigerados e operantes. Imagine o calor que seu laptop gera e multiplique isso pelas milhares de máquinas em um armazém: computadores conectados e ligados constantemente, fazendo tarefas complicadas, 24 horas por dia, sete dias por semana.

Para resfriar o ambiente, é preciso água fria e ventiladores, que fornecem ar fresco e sugam o ar quente. O calor geralmente é descartado como um resíduo do processo.

Mas calor é energia. E a Suécia decidiu aproveitá-lo.

O PROJETO

Em Estocolmo, o projeto é chamado de Stockholm Data Parks (Parques de Dados de Estocolmo, em tradução livre) e funciona em parceria com o governo da cidade, a Fortum Värme (agência local de aquecimento e refrigeração) e outras instituições.

Vários importantes centros de dados de Estocolmo participam da iniciativa e o número está crescendo à medida que mais empresas buscam reforçar uma reputação ambientalmente consciente, além de ganhar dinheiro com um novo modelo de negócios. Recentemente, o programa anunciou parcerias com centros de dados administrados por grandes empresas internacionais como a Ericsson (companhia de celulares que também ajuda a transmitir canais de TV da BBC) e a cadeia de roupas H&M.

O esquema de manutenção da temperatura e transporte do calor é simples. A água fria entra nos centros de dados por meio de canos, e é usada para criar o ar frio que evita o superaquecimento dos servidores. Depois, a mesma água, que acabou sendo aquecida no processo, volta para os canos e segue para as dependências da agência Fortum, onde é distribuída para o aquecimento dos moradores.

A Suécia não é o único país a adotar essa ideia. O mesmo está acontecendo em projetos menores em nações como a Finlândia, onde o calor de centros de dados tem sido usado para aquecer residências de uma cidade pequena desde o ano passado. Também existem programas semelhantes nos EUA, Canadá e França.

Mas a decisão da Suécia de aplicar essa prática em todo o país é uma experiência sem precedentes.

O Stockholm Data Parks espera gerar calor suficiente para aquecer 2.500 apartamentos até 2018, mas o objetivo de longo prazo é atender a 10% da demanda de aquecimento da cidade até 2035.

De acordo com os Data Centers By Sweden - que está lançando projetos parecidos ao de Estocolmo em todo território -, apenas 10 MW (megawatt) de energia são necessários para aquecer 20 mil apartamentos modernos. Um típico centro de dados do Facebook, por exemplo, usa 120 MW.

INCENTIVOS FINANCEIROS

Um dos principais incentivos para as empresas se juntarem ao programa é financeiro - elas vendem o calor residual. Além disso, a Fortum fornece água gelada para o resfriamento dos armazéns gratuitamente.

Na Interxion, uma empresa cujos centros de dados suportam aplicativos de jogos de celular e outros softwares baseados em nuvem, a análise de custo e benefício foi tão promissora que levou à construção de mais instalações para a captura de calor.

"Não é filantropia", diz Mats Nilsson Hahne, gerente de desenvolvimento de negócios da Interxion. Muito pelo contrário, diz Peder Bank, diretor administrativo do braço nórdico da empresa: "Estamos tentando transformar (a estratégia) em um negócio secundário".

Apesar de seus objetivos financeiros, a Interxion está publicamente compartilhando seus planos para o novo modelo comercial com qualquer centro de dados que deseje se estabelecer em Estocolmo. Questionado quanto ao motivo de oferecer essa vantagem competitiva, Bank reforça a típica atitude sueca ante as mudanças climáticas: "Há um propósito mais elevado nisso do que a concorrência. Um objetivo global", diz ele.

"Se eu puder defender a agenda (ambiental) e fazer meu negócio, devo fazer isso. Se eu for capaz de atrair negócios para a região, devo fazer isso e competir depois. Não vejo uma incompatibilidade. Todos vivemos no mesmo planeta."

PAÍSES VERDES

A Suécia há tempos adota ideias pró-energia mais ecológica. De acordo com o gerente de clima da cidade de Estocolmo, Björn Hugosson, isso acontece porque o país tem poucos recursos naturais. "Não temos nenhum recurso fóssil na nossa terra. Não temos poços de petróleo ou minas de carvão", diz.

Hoje, a Suécia possui 2.057 usinas hidrelétricas, de acordo com o Conselho Mundial da Energia, que representam 40% do consumo de energia. O resto provém principalmente da energia nuclear, que está em processo progressivo de eliminação, e um pouco do carvão, que é importado da Rússia para a única planta do tipo no país. A última alternativa deve ser eliminada nos próximos cinco anos (provavelmente até 2020). O país espera tornar-se 100% livre de combustíveis fósseis até 2040.

A Suécia também tem quase zero desperdício na forma de lixo. Seus cidadãos reciclam mais de 99% do lixo doméstico e apenas 3% acaba em aterros sanitários. O país queima cerca de 70% de seus resíduos para produzir energia e importa lixo de nações vizinhas para ajudar a atender a demanda de energia criada desde o início do programa de incineração.

Dito isso, é importante ressaltar que os suecos não são os maiores usuários de energia ecológica do mundo. Esse título pertence à Islândia, onde 86% de todo o uso de energia vem de recursos renováveis. E embora a Suécia consiga ficar 100% livre de combustíveis fósseis em determinados dias em que as condições meteorológicas estão favoráveis, a vizinha Dinamarca atinge esse objetivo com mais regularidade graças à enorme quantidade de energia produzida em moinhos de vento - tanto que a Dinamarca vende seu excedente.

EXPANSÃO DO PROJETO

Com boas ações de sustentabilidade pelo mundo, será que o plano sueco de reutilização de calor da poderia decolar em novos lugares? Talvez, desde que o projeto seja precedido de mudanças. A estratégia funciona na Suécia porque os cidadãos dependem do governo para receber a água quente que usam no aquecimento doméstico.

Chamada de "aquecimento distrital", essa prática começou em Estocolmo na década de 1950, quando as residências eram em boa parte aquecidas por petróleo. Primeiro, a Fortum Värme começou a fornecer água quente a hospitais. Quando a crise do petróleo explodiu, na década de 1970, o sistema se expandiu para moradias em todo o país.

Atualmente, a Fortum vende calor para cerca de 12 mil edifícios, o que corresponde a 90% de Estocolmo. No início, o calor que a agência distribuía provinha do carvão, mas hoje ele se origina principalmente de biocombustíveis: a polpa de madeira que sobra na produção da indústria florestal e é levada a Estocolmo em navios. E já que os suecos reciclam tudo, eles também reutilizam a água quente que desce pelo ralo do banheiro.

Dessa forma, se outras cidades desejassem seguir o exemplo de Estocolmo, precisariam ter uma infraestrutura de tubulação subterrânea e um modelo comercial de fornecimento de calor.

Isso não é impossível. Muitas cidades já estão fazendo o mesmo, incluindo Nova York, várias no Canadá e quase toda a Islândia.

Mas o consultor em energia ecológica Bo Normark adverte que o programa sueco pode não ser adaptável a todos os lugares. Eventualmente, ele pondera, o país não precisará que mais centros de dados participem da iniciativa.

"As pessoas estão superestimando a necessidade de calor. Teremos um excesso de oferta de calor. Podemos exportar eletricidade. Não podemos exportar calor", diz Normark. Mas ele acrescenta: "Em Estocolmo, (a medida) está funcionando porque a cidade está crescendo rapidamente. Há um valor monetário no calor".

PARQUES DE DADOS

O trabalho dos Stockholm Data Parks se concentra em quatro grandes "parques de dados". Eles estão ligados à rede de energia limpa e são equipados para que as empresas integrantes se conectem no sistema de reciclagem de calor. O primeiro, já concluído, fica no "vale do silício" de Estocolmo, um bairro chamado Kista, e atualmente possui companhias como a Interxion. Mais dois devem se juntar ao sistema em 2018 e um quarto em 2019.

"Estamos mudando a economia de toda a indústria", diz Johan Börje, gerente de marketing de refrigeração de centros de dados e recuperação do calor na Fortum Varme.

O governo sueco, reconhecendo o benefício da iniciativa, reduziu recentemente o imposto sobre eletricidade nos centros de dados. A Suécia não quer que os centros tenham uma desculpa para se mudar para outros pontos da Europa.

Por enquanto, o mundo desenvolvido depende desses centros - e a demanda continuará a crescer. Sem eles, smartphones e computadores não funcionariam e nenhuma informação seria transportada pela rede. Isso significa que mais e mais dessas bibliotecas tecnológicas serão construídas em todo o planeta. E a Suécia mostra que elas podem manter o mundo digital em movimento enquanto fornecem energia limpa.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.