Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
03/08/2012 - 16h55

Morre John Keegan, historiador que deu um rosto humano à guerra

Publicidade

DAVID BINDER
DO "NEW YORK TIMES"

Sir John Keegan, historiador inglês considerado como o mais importante historiador militar de sua era e autor de mais de 20 livros, entre os quais "The Face of Battle", morreu na quinta-feira em sua casa em Kilmington, Inglaterra, aos 78 anos.

Sua morte foi anunciada pelo jornal "Telegraph", ao qual ele servia como editor de Defesa. A causa não foi informada, mas o editor executivo da seção internacional do jornal, Con Coughlin, informou em e-mail que Keegan havia morrido depois de uma longa enfermidade.

Keegan nunca serviu às forças armadas. Contraiu tuberculose ortopédica aos 13 anos e passou os nove anos seguintes em tratamento, cinco dos quais em um hospital, onde aproveitou o tempo ocioso para aprender grego e latim com um capelão.

Como admitiu em sua introdução para "The Face of Battle", ele jamais esteve "em uma batalha, ou perto de uma, ou a ouvi de longe, ou contemplei as consequências do combate depois que este tivesse terminado".

Mas disse que aprendeu em 1984 "até que ponto um campo de batalha pode ser fisicamente repulsivo", e "teve a sensação do medo", quando serviu como correspondente do "Telegraph" em Beirute durante a guerra civil libanesa.

EVOLUÇÃO DA GUERRA

A obra de Keegan abarca séculos e continentes e, como um todo, acompanha a evolução da guerra e de sua destrutiva tecnologia, mas sem deixar de reconhecer algumas constantes: os terrores do combate e o fardo psicológico imposto aos soldados.

Ele tinha forte interesse pelos Estados Unidos; foi professor visitante na Universidade de Princeton, escreveu sobre as guerras na América do Norte e preparou o presidente Bill Clinton para o 50º aniversário da invasão da Normandia, em 1994.

Keegan tinha interesse especial pelas raízes culturais da guerra, e em 1993, em seu clássico estudo "A History of Warfare", indagou: "Por que o homem luta?" A resposta que propõe é a de que o conflito militar é um ritual cultural diante do qual o conceito moderno de guerra total, como a Primeira Guerra Mundial, representa uma aberração.

Os temas de que tratou em seus trabalhos incluem o rei Henrique 5º da Inglaterra, Napoleão, e a máquina militar de Hitler, mas ele também escreveu sobre a guerra na era nuclear, concluindo, em "The Face of Battle", que a guerra total se havia tornado praticamente impensável, hoje. "Cresce a suspeita de que a batalha aboliu a si mesma", escreveu.

Em "The Iraq War", publicado em 2004, ele tratou da revolução tecnológica na guerra, com a introdução de armas "inteligentes" guiadas por computadores.

Também pronunciou seu veredicto político, afirmando, embora a guerra estivesse apenas no começo, que a invasão do Iraque e a derrubada de Saddam Hussein eram justificadas - antes que o conflito se transformasse em uma disputa sectária e do envio de reforços norte-americanos às tropas de ocupação.

"THE FACE OF BATTLE"

Provavelmente nenhum de seus livros foi mais admirado que "The Face of Battle". O historiador J. H. Plumb, da Universidade de Cambridge, definiu o trabalho como "muito criativo e muito original", e como "uma brilhante realização". Grande sucesso editorial, o livro lançou a carreira de Keegan como historiador popular.

No livro, ele trata de três batalhas - Agincourt, em 1415; Waterloo, em 1815; e a batalha do Somme, em 1916, todas no quadrante nordeste da França e todas envolvendo exércitos ingleses. O relato que oferece sobre o que acontece no calor do combate, incluindo a execução de prisioneiros, é sóbrio e envolvente.

E Keegan não hesitava em revelar um lado pessoal. Descrevendo os horrores do Somme, onde seu pai foi vítima de gás venenoso, ele parece perder um pouco o ânimo, parando para refletir como a sombra da guerra persiste mesmo 70 anos mais tarde.

Fala sobre o "historiador militar, que, ao relatar a extinção desse ou daquele bravo esforço, cai em dolorosa letargia, com as teclas da máquina de escrever marchando mecanicamente pela página como as ondas de ataque de um batalhão de Kitchener ao fracassar na captura de um objetivo, avançando mais e mais lentamente em direção à última linha".

SEGUNDA GUERRA

John Desmond Patrick Keegan nasceu em 15 de maio de 1934, em Londres. Durante os ataques aéreos alemães a Londres, em 1940, foi evacuado em companhia de outras crianças para Taunton, uma cidade que não estava entre os alvos dos bombardeiros alemães.

"Minha guerra foi boa", escreveu. "Eu era pequeno, e fui tirado de Londres assim que as sirenes começaram a soar".

Taunton se tornou um dos pontos de concentração das tropas norte-americanas que estavam se preparando para a invasão da Normandia, e o jovem John observava os acontecimentos fascinado.

Mais tarde escreveu sobre ouvir o rugido dos motores de aviões em seu "grande voo migratório", transportando tropas que saltariam de paraquedas ou desembarcariam de planadores na França, na noite anterior ao desembarque.

Além de latim e grego, ele também encontrou tempo para aprender francês e, depois de recuperar a saúde, se matriculou na Universidade de Oxford, onde se formou em História. Depois de se formar, conquistou uma bolsa para estudar a guerra civil norte-americana nos Estados Unidos.

Ao voltar a Londres, passou a colaborar com a embaixada dos Estados Unidos, escrevendo relatórios políticos, e conquistou o posto de professor de história militar na Real Academia Militar de Sandhurst, Inglaterra, onde lecionou por 25 anos.

ROSTO FORTE

Um homem de sobrancelhas espessas e rosto forte, Keegan caminhava mancando, na vida adulta. Seus livros eram redigidos com uma máquina de escrever, mas quando começou a sentir dores nas costas, se acostumou a escrever com papel e caneta.

Keegan provou ser um mestre da organização em todas as suas obras. Em "A History of Warfare", divide a evolução dos combates em estágios: pedra, carne, ferro e fogo. (Na seção sobre "carne", ele explora, entre outras coisas, o papel dos cavalos.)

Havia quem o considerasse presunçoso. Um exemplo é sua alegação de que era capaz de compreender o raciocínio de Alexandre Magno tomando por base histórias escritas centenas de anos depois de sua morte. O legado de Alexandre, ele escreveu, havia sido "enobrecer a selvageria".

Keegan tinha um lado obstinado. Ao revisar "The American Civil War", em 2009, Dwight Garner escreveu no "New York Times" que "ele escreve sobre as mulheres do sul dos Estados Unidos como se estivesse falando de uma exposição de cachorros: 'as mulheres do sul são uma raça à parte ainda hoje, admiradas por sua feminilidade e personalidade extrovertida'".

E também tinha momentos didáticos. Em "The Mask of Command", de 1987, no qual ele trata dos grandes comandantes militares, propõe que a arte de comandar bem um exército podia ser analisada tendo por base os imperativos de "parentesco" (a criação de um vínculo entre o líder e os seguidores), "prescrição" (como dar ordens), "sanção" (punição e recompensa) e "ação".

Mas também era altamente perceptivo, afirmando, no mesmo livro, que "a máscara de comando" envolve um "impulso teatral".

"Um líder de guerra só pode se mostrar aos seus seguidores por meio de uma máscara", escreveu, "uma máscara que ele mesmo deve confeccionar mas feita de uma forma que o torne conhecido dos homens de sua era e lugar como o líder que querem e de que precisam".

COMPARAÇÕES

Keegan era competente nas comparações histórias. Em "Six Armies in Normandy", ele aponta que um paraquedista norte-americano carregado de todo o seu equipamento "requeria [para subir no avião] a mesma existência que um cavaleiro vestindo armadura requereria de um escudeiro".

Tendo escrito extensamente sobre Ulysses Grant e outros comandantes militares norte-americanos em "The Mask of Command" e "Six Armies", Keegan adotou os Estados Unidos como tema em "Fields of Battle: The Wars of North America", publicado em 1996.

Uma de suas percepções é que a história militar do continente pode ser definida pela construção de fortes, tanto para defender a região de potências externas quanto para auxiliá-las em seus esforços de conquista. Em 1763, escreveu, "a América do Norte era uma das regiões mais pesadamente fortificadas do planeta".

Em "The American Civil War", ele aponta que a geografia teve influência profunda mas raramente examinada sobre a conduta do conflito. O território dos 11 Estados que formaram a confederação, escreveu, "forma um quadrilátero com cerca de 1,5 milhão de quilômetros quadrados de área".

Também contestou as suposição dominantes sobre a guerra, afirmando que as batalhas mais decisivas não foram famosos conflitos como o de Gettysburg, Pensilvânia, ou Vicksburg, mas os travados em lugares menos conhecidos, como Wilson's Creek, Missouri, e Perryville, Kentucky.

Alguns críticos criticam Keegan pelo anglocentrismo. Ele afirmou, por exemplo, que a invasão da Normandia "deve ser classificada como o maior desastre militar que Hitler sofreu em campo", superando sua derrota pelos soviéticos em Stalingrado, em 1942/3, e o colapso da frente oriental. Poucos historiadores alemães concordariam.

Keegan tendia a ver as transformações culturais britânicas pelo prisma da guerra. "The First World War" (1999) volta à batalha do Somme, cena "do maior número de baixas fatais sofridas na história britânica", e Keegan conclui que "o Somme marcou o final de uma era de otimismo vital que jamais foi recuperado, na vida britânica".

DEBATE

O livro dele sobre a Primeira Guerra Mundial causou forte debate nos círculos históricos, dada a alegação do autor de que o conflito havia sido "desnecessário". Muitos críticos apontaram que os sentimentos belicosos então existentes em diversas das capitais das grandes potências europeias bastariam para tornar a guerra inevitável.

Como jornalista, Keegan escreveu copiosas análises militares para jornais e revistas, e tinha uma coluna semanal na revista do "Telegraph" sobre assuntos rurais, tais como observados de sua casa em Wiltshire, muitas vezes acompanhada por notas sobre seu gato, Edgar.

Keegan se casou com Susanne Ingeborg em 1960; deixa a mulher e os filhos Lucy, Rose, Thomas e Matthew. Foi sagrado cavaleiro em 2000.

Em entrevista concedida em 1994 a Brian Lamb, da rede de TV pública norte-americana C-Span, Keegan reconheceu que o Duque de Wellington e Dwight Eisenhower estavam entre suas figuras militares favoritas.

"Se Wellington exemplifica o típico cavalheiro inglês, Eisenhower exemplifica o cavalheiro natural norte-americano", disse Kegan. "Um homem muito bom".

Perguntado sobre o Vietnã, ele respondeu que "jamais me oporei à guerra do Vietnã. Os norte-americanos estavam certos por combater lá. Creio que combateram da maneira errada, e não acho que seja uma guerra comparável a enfrentar Hitler, mas acho que foi uma guerra justa, uma guerra correta".

Lamb perguntou se ele era pacifista. "Noventa e cinco por cento".

Tradução de PAULO MIGLIACCI

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página