Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
22/09/2012 - 14h16

EUA negam vistos de 20 acompanhantes de Ahmadinejad em visita à ONU

Publicidade

DA EFE

Os Estados Unidos negaram 20 dos 160 vistos solicitados há dois meses pelo governo do Irã para a delegação que acompanha o presidente Mahmoud Ahmadinejad a Nova York para assistir à Assembleia Geral da ONU.

Segundo informou neste sábado a agência iraniana de notícias Fars, entre as pessoas que não receberam o visto estão dois ministros e outros dois funcionários do gabinete da presidência, além de alguns jornalistas e vários agentes de segurança.

A agência lembra que não é a primeira vez que os EUA negam vistos a membros de delegações oficiais iranianas para participar de reuniões da ONU.

Os EUA impuseram sanções ao Irã por seu programa nuclear e entre elas estão as proibições de viagem a um bom número de pessoas relacionadas com o regime islâmico de Teerã, embora para a assistência às reuniões da ONU existam outras regras.

A imprensa iraniana informou neste sábado que Ahmadinejad partiu para Nova York acompanhado por uma delegação na qual se encontravam os ministros de Exteriores, Ali Akbar Salehi, a de Saúde, Marzie Vahid Dastyerdi, o de Agricultura, Sadeq Jalilian, e o de Urbanismo, Ali Niczad.

Além disso, a Fars detalhou que mais de 150 agentes de segurança se encarregarão de proteger o presidente durante esta visita, na oitava e última participação de Ahmadinejad na Assembleia Geral das Nações Unidas como chefe de Governo.

Os iranianos estão convocados às urnas em junho de 2013 para renovar a presidência, eleições das quais Ahmadinejad não poderá participar por ter esgotado os dois mandatos permitidos pela Constituição do país.

Em seu discurso na Assembleia da ONU em setembro de 2011, o polêmico presidente iraniano pôs em dúvida o Holocausto judeu e as circunstâncias dos atentados de 11 de setembro de 2001, o que fez com que representantes de diversos países ocidentais abandonassem o plenário.

Seus comentários também lhe valeram uma advertência do secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, que lhe disse que "a ONU deveria ser respeitada como fórum para promover a tolerância, o respeito mútuo e o entendimento entre culturas" e qualificou de "inaceitáveis" suas palavras.

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

TV LED TV LED Smart, HDMI, Full HD a partir de R$ 899,90

Geladeira Geladeira Side By Side, Duplex, Frost Free a partir de R$ 849,00

Home Theater | Tênis | Mais...

Voltar ao topo da página