Datado, volume com entrevistas embarca em oratória de Macron

Crédito: Christophe Archambault/AFP O presidente francês Emmanuel Macron e sua mulher, Brigitte (esq.), em cerimônia no Eliseu
O presidente francês Emmanuel Macron e sua mulher, Brigitte (esq.), em cerimônia no Eliseu

LUCAS NEVES
EDITOR-ADJUNTO DE 'MUNDO'

Há dois problemas fundamentais com "Macron por Macron", a compilação de entrevistas do presidente francês, Emmanuel Macron, que ganhou edição brasileira no último trimestre de 2017.

O primeiro é justamente o "timing". A obra saiu na França em março do ano passado, no fim da campanha que conduziria o ex-ministro da Economia e ex-acionista do banco Rothschild ao Eliseu.

Nesse contexto, fazia sentido reproduzir conversas de 2015 e 2016 para apresentar a formação intelectual do aspirante à Presidência e tecer uma espécie de cronologia de seu despertar político —ao qual se sucedeu um itinerário sui generis, longe da progressão habitual 1) eleição municipal/regional; 2) mandato(s) de deputado ou senador; 3) corrida presidencial.

Passado mais de um semestre desde a posse de Macron, em que medida interessa ao leitor brasileiro revisitar o jogo de cena do então candidato hipotético, fazendo mistério sobre as condições que definiriam seu ingresso na disputa pela sucessão de François Hollande?

Não se trata de questionar o valor do registro histórico nem de se deixar levar por um frenesi da novidade, mas, dado o tempo transcorrido, talvez fosse interessante haver na edição brasileira um apêndice ou posfácio (outra entrevista?) que flagrasse o choque de realidade após os primeiros percalços na função.

Isso nos conduz ao segundo problema do volume: exímio orador, o então postulante à Presidência, jovem prodígio conhecido pela vaidade intelectual, sobe à tribuna oferecida por seus entrevistadores mais como pensador da política do que como o homem de ações que promete ser.

O resultado é uma sucessão de proposições vagas, etéreas, um apanhado de grandes princípios norteadores que não dá muitas pistas sobre os termos e a viabilidade da revolução que ele prometia operar se eleito. Diante disso, a tarefa de conferir concretude ao beletrismo macronista acaba cabendo ao organizador da obra, Éric Fottorino, ex-diretor de Redação do diário "Le Monde", em um texto em que interpreta discursos do então candidato.

Apesar do ranço anacrônico e de não conseguir dar materialidade às elucubrações ideológicas do agora mandatário, o conjunto de entrevistas delineia alguns aspectos de sua persona política já salientes nos primeiros meses de seu quinquênio no Eliseu.

A certa altura, ele diz identificar na forma atual da democracia certa ausência —no caso francês, a do rei. Adiante, observa que, para sair do imobilismo que vê como um dos flagelos da sociedade francesa, é preciso, mantendo o equilíbrio deliberativo, "aceitar um pouco mais de verticalidade". Um elogio velado à autoridade e ao personalismo, traços que a imprensa local associou ao "presidente jupiteriano".

Liberal convicto, Macron defende a iniciativa pessoal e o risco, mas reconhece o Estado como pedra fundamental da nação a que se dirige. Canta os louros de uma Europa mais coesa, quiçá com Exército supranacional e alinhamento fiscal —sem ignorar a janela de oportunidade oferecida pelos quiproquós domésticos que consomem sua homóloga (e concorrente) alemã, Angela Merkel.

Macron Por Macron
Emmanuel Macron
l
Comprar

Resta a saber se será capaz de ilustrar o que o filósofo Tzvetan Todorov (lembrado por Fottorino) ponderou: "As palavras são os acontecimentos, porque elas os criam".

MACRON POR MACRON

  • Autor Éric Fottorino (org.)
  • Tradutor Rogério Alves
  • Editora BestSeller
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.