Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
29/11/2010 - 08h07

Votação no Egito é marcada por alta abstenção e violência

Publicidade

MARCELO NINIO
DE JERUSALÉM

Em meio a fortes suspeitas de fraude e episódios de violência, o Egito realizou ontem eleições para a câmara baixa do Parlamento, mas a maioria dos eleitores preferiu ficar longe das urnas.

Acompanhe a Folha no Twitter
Conheça a página da Folha no Facebook

Segundo as primeiras estimativas, o índice de participação foi bem menor que o das eleições anteriores, em 2005, quando somente 22% dos eleitores votaram.

O medo de incidentes violentos perto das seções eleitorais e principalmente a visão da maioria de que a eleição é um jogo de cartas marcadas explica a baixa votação, afirmam os analistas.

É dado como certo que o governista Partido Nacional Democrático (PND) leve facilmente a maioria dos 508 assentos em disputa. Outros dez deputados são apontados por decreto presidencial.

Os temores de violência se justificaram ainda antes do início da votação. Na madrugada de ontem, o filho de um candidato independente foi morto a facadas no Cairo, quando colava cartazes.

Ao longo do dia foram relatados vários casos de manipulação de votos e intimidação das forças de segurança a candidatos e eleitores da Irmandade Muçulmana, principal grupo de oposição.

O regime egípcio vetou a entrada de observadores estrangeiros, sob a alegação de que ela feriria sua soberania.

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página