Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
20/12/2010 - 07h39

Fundador do WikiLeaks vira vítima de vazamento

Publicidade

DAS AGÊNCIAS DE NOTÍCIAS

Julian Assange, o próprio, foi vítima de um vazamento. Na Inglaterra, onde está sob custódia da polícia, o criador do WikiLeaks recebeu ontem a notícia de que o inquérito sigiloso sobre seus supostos crimes sexuais na Suécia chegou à imprensa.

E por dois dos jornais que contam com acesso antecipado aos papéis secretos da diplomacia americana, "Guardian", da Inglaterra, e "New York Times", dos EUA.

Assange é acusado de coerção sexual e estupro contra duas suecas. A Suécia quer que ele seja ouvido no país. Ele alega que fez "sexo consentido" e, após ficar preso por dez dias em Londres, por ordem da Interpol, aguarda em liberdade uma decisão sobre a extradição.

Paul Hackett-17dez.10/Reuters
Assange fala à imprensa um dia após ser solto sob fiança; relatório sobre caso de estupro vazou na imprensa
Assange fala à imprensa um dia após ser solto sob fiança; relatório sobre caso de estupro vazou na imprensa

O relatório, de 68 páginas, dá a versão da polícia sueca para os quatro dias da visita de Assange ao país, em agosto. Segundo a investigação, os encontros do australiano com as suecas realmente começaram de forma "amigável". Mas se tornaram violentos quando elas se negaram a fazer sexo sem preservativo.

O documento, extenso e repleto de interrogatórios, é um baque na defesa de Assange, que alega que tudo foi montado de última hora como parte de uma conspiração comandada pelos EUA.

Por outro lado, é um alento: as suecas continuaram conversando com o australiano e só decidiram procurar a polícia depois que uma soube que a outra também havia se relacionado com ele.

PISTAS

Elas são identificadas só como "A" e "W". "A" tem 30 anos e é uma ativista da esquerda na Suécia. "W", 25, trabalhou no Museu de Estocolmo e é descrita como
"forte apoiadora" do WikiLeaks.

No relatório, "A" diz que recebeu golpes nas pernas e que teve as roupas rasgadas. "Tentava colocar as roupas, mas ele as arrancava novamente", declarou à polícia.

"W" relata que os dois se conheceram num jantar, após um palestra dele em Estocolmo, e que depois viajaram juntos para Enkoping, a cidade dela, a 50 km da capital. Lá, ele tentou fazer sexo enquanto ela dormia -o que motivou a Promotoria a acusá-lo de estupro.

Ontem, seguindo a rotina dos últimos dias, Assange se apresentou a uma delegacia perto da casa onde se hospeda. Não comentou o caso.

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página