Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
10/07/2011 - 18h38

EUA e França acusam Síria de incentivar protestos em embaixadas

Publicidade

DAS AGÊNCIAS DE NOTÍCIAS

Os EUA e a França acusaram a Síria de incentivar e deixar de reprimir manifestações e degradações às suas embaixadas no país neste fim de semana.

O governo americano reclama das manifestações de 31 horas de duração, entre sexta-feira e sábado, com participantes lançando tomates, ovos e pedras. Dois funcionários foram atingidos.

O Departamento de Estado dos EUA afirma que o governo sírio articulou as mobilizações em resposta à visita do embaixador Robert Ford à cidade de Hama --ato visto como fortalecimento simbólico do apoio norte-americano aos protestos na Síria.

A acusação dos EUA coincide com o anúncio de Damasco de que convocou Ford e Eric Chevallier, embaixador francês, para prestar esclarecimentos sobre visitas à cidade sitiada, palco de conflitos recentes.

A Síria diz que os deslocamentos dos diplomatas são "clara ingerência nos assuntos internos sírios e uma confirmação da existência de um apoio estrangeiro que quer desestabilizar a segurança".

Segundo o governo americano, Ford teria dito ao ministro das Relações Exteriores da Síria, durante o encontro, que "o incitamento de sírios contra os EUA, com protestos agressivos diante da Embaixada, deve parar".

"O governo sírio não deve usar a visita a Hama --com intuito apenas de reunir informações e dar apoio à liberdade de expressão-- como propaganda", afirmou o órgão.

A França, por sua vez, reclamou à embaixadora da Síria na França da convocação feita a Chevallier devido ao deslocamento dele a Hama.

O ministério das Relações Exteriores francês expressou "estupefação" e, em comunicado, protestou "energicamente" pelo que chamou de "degradações" sofridas por suas representações na Síria.

A França se incomoda especificamente com os ataques à sua embaixada em Damasco e ao consulado em Alepo, "sem que as forças de segurança sírias se mobilizassem para impedir os atos".

A Chancelaria francesa alegou, ainda, que acordos internacionais sobre relações diplomáticas estipulam a total liberdade de deslocamento de chefes de missões diplomáticas.

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página