Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
28/10/2011 - 18h27

Governo israelense quer atacar Irã, mas serviço secreto é contra

Publicidade

DA FRANCE PRESSE, EM JERUSALÉM

O primeiro-ministro israelense, Binyamin Netanyahu, e seu ministro da Defesa, Ehud Barak, são favoráveis a atacar instalações nucleares iranianas, mas o Exército e os serviços secretos (o Mosad) se opõem, informou a imprensa nesta sexta-feira.

Segundo os correspondentes das principais redes de TV, Netanyahu e Barak pressionam outros membros do governo para que apoiem uma ação militar contra o Irã.

No entanto, o chefe do Estado Maior, o general Benny Gantz, responsável pelo Mosad, Tamir Pardo, o chefe dos serviços secretos militares, o general Aviv Kochavi, e o chefe do Shin Beth (Segurança Interna), Yoram Cohen, são contrários a uma intervenção.

Essa oposição deverá impedir, ao menos de forma imediata, o recurso à ação militar, segundo os jornalistas.

"O front iraniano é a prioridade", afirmou na quinta-feira o diretor do departamento político do Ministério da Defesa, Amos Gilad, citado pelo site Ynet e pelas emissoras de TV, durante um discurso para estudantes.

"Binyamin Netanyahu é o primeiro a considerar o Irã como uma ameaça maior. O ministro da Defesa compreende também a magnitude da ameaça", afirmou Gilad, afirmando que "todas as opções estão sobre a mesa".

Israel e os países ocidentais acusam o Irã de querer obter a bomba atômica com o pretexto de desenvolver um programa nuclear civil, uma acusação que Teerã rejeita.

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página