Confeiteiro prodígio, Lucas Corazza dá vez aos chocolates nacionais em sua cozinha

Na cozinha do confeiteiro Lucas Corazza, 33, chocolate importado não tem vez. E ele fala com conhecimento de causa, pois, desde sempre, foi sua guloseima preferida. "Quando garoto, fazia lição de casa comendo uma barra de chocolate ou um bombom", conta ele, que sempre escolhia os mais puros ou com frutas. "Aqueles que ninguém queria e sobravam na caixinha."

Lucas começou a cozinhar aos 14, assistindo ao "Note e Anote", programa de Ana Maria Braga, e lendo a "Claudia Cozinha". E levou pouco tempo até se arriscar a vender pães de mel e bala de coco na escola. "Na época, eu achava que o futuro da confeitaria era a pasta americana", lembra.

Alguns anos depois, um estágio com Alex Atala mudaria sua percepção para sempre. "Ali, aprendi a realmente valorizar e extrair o melhor de um ingrediente. E o bolo de pasta americana, definitivamente, não tinha nada disso", conta.

Louco por açúcar, Lucas é embaixador de uma marca brasileira de chocolates e jurado do programa "Que Seja Doce" (GNT), em que, a cada edição, tem de provar nada menos do que nove doces produzidos pelos participantes. Talvez seja isso que lhe dê tanta energia para ainda comandar um food truck em feiras gastronômicas pela cidade e viajar pelo Brasil e exterior divulgando a confeitaria e o chocolate brasileiros.

"O Brasil ocupa o sexto lugar entre os maiores produtores de cacau do planeta e isso não é pouca coisa. Acho uma vergonha não batermos no peito para dizer que temos um dos melhores chocolates do mundo."

A tarefa é difícil, já que estamos em um momento em que o chocolate belga é endeusado por confeiteiros e culinaristas. "Claro que ele é bom e sinônimo de qualidade. Mas gosto de mostrar que não é a única opção."

Ele conta que muitas vezes é até malvisto no meio por seu posicionamento. "Hoje, o mundo inteiro —entre eles vários chefs brasileiros— fala da valorização de ingredientes e produtores locais. Além de incoerente, acho absurdo comprarmos um chocolate cujo cacau sai do país, vai para a Europa e volta com o nome de chocolate de origem do Brasil."

"Por que temos de pagar quatro vezes mais em um chocolate belga produzido com matéria-prima brasileira?", alfineta ele, que neste mês viajou para os Estados Unidos para mostrar suas criações na Smorgarburg, uma feirinha gastronômica do bairro do Brooklyn, em Nova York. Tudo com produto genuinamente nacional, é claro.

Publicidade
Publicidade

Últimas

  1. 24/06/2017
    1. Frank Bar, de carta de drinques esmerada, é eleito o melhor bar da cidade de SP

      Se você, bebedor, virasse nome de bar, como iria querer o serviço ali? E se você fosse Frank Sinatra, que fez sua paixão pelo copo ficar tão famosa quanto sua voz e seus olhos azuis? (Ele foi enterrado com uma garrafa de Jack Daniel's, diz a lenda.) Talvez não seja ousadia demais supor que, se voltasse para uma última dose no Frank Bar —que, aliás, ostenta sua assinatura em um luminoso ao fundo—, o cantor se sentiria em casa.

    2. Hambúrguer do Z Deli, de carne suculenta e avermelhada, é eleito o melhor de São Paulo

      Só um número ímpar de bancos no balcão e a solidão driblam as filas eternas no Z Deli de Pinheiros aos finais de semana. A espera, aliás, é um dos dois poréns das duas unidades da casa. Enfim, a melhor hamburgueria de São Paulo não decepciona.

    3. Treze opções para encomendar comidinhas artesanais; veja seleção

      Preparados artesanalmente, pães de fermentação natural, massas caseiras, geleias e até mesmo produtos fermentados, como kombuchas e conservas, estão entre os alimentos que podem ser encomendados na cidade. Saiba como pedir esses quitutes.

    4. Confira receita do pão de tomate, criação da chef Heloisa Bacellar

      Para fazer o pão de tomate, parmesão e azeitonas da chef Heloisa Bacellar, do restaurante Lá da Venda, bastam 40 minutos e poucos ingredientes. Confira receita abaixo.

    5. Kibon é a marca de sorvete favorita dos paulistanos que cozinham, aponta pesquisa Datafolha

      Muita gente deve se lembrar dos carrinhos amarelos e azuis de picolés que circulavam por aí antigamente.

    6. 'Gourmetizando' produtos, Matte Leão é o chá preferido dos paulistanos que cozinham

      Foi no calor das praias cariocas que o Matte Leão conquistou seu lugar ao sol. Em meados dos anos 1950, a empresa paranaense que originalmente industrializava erva-mate para a fabricação do tradicional chimarrão viu que o tipão da vez para os jovens da década era o chá mate gelado —ou "geladão", como dizem os ambulantes do Leme ao Pontal.

    7. Aprenda a fazer o bolo de figo e nozes da chef Heloísa Bacellar

      Veja a seguir a receita de bolo de figo e nozes de Heloísa Bacellar, chef do Lá da Venda. O tempo de preparo é de duas horas, sendo outras quatro para o repouso dos figos. Rende seis porções.

    8. Jean Ponce, do Guarita Bar, ensina a preparar o drinque Raizz

      O bartender Jean Ponce, do Guarita Bar, ensina a preparar o drinque autoral Raizz. Veja o passo a passo:

    9. Confira a receita de afogado de carne, prato com sabor e 'sustança' para o dia todo

      Aprenda a fazer com a chef Heloisa Bacellar, do Lá da Venda, um afogado de carne no capricho. Serve seis porções, leva três horas para fazer, além de mais 12 horas na geladeira.

    10. Com receitas que 'vão com tudo', Pullman é a marca de pão queridinha em São Paulo

      A manteiga derrete na fatia grossa, fofinha, com aquela casca gostosa, ainda com os resquícios da farinha. Parece que acabou de sair do forno. Mas veio do pacote mesmo.

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. 4
  5. 5
Publicidade