Análise

Pesquisa revela setor dinâmico e queda de interesse por casas árabes e italianas

Com pesquisas realizadas desde 2012, o monitoramento do Datafolha sobre os melhores bares e restaurantes de São Paulo cria repertório para análise de um dos principais setores da cidade sob a ótica do consumidor. O histórico do levantamento revela um segmento dinâmico, com alto grau de pulverização das menções, surgimento de novos nomes ao longo do tempo e variações nas taxas de frequência com que os paulistanos mantêm o hábito de ir a esses estabelecimentos.

Quanto aos restaurantes, principalmente, nota-se queda importante de frequência a alguns tipos de cozinha no último ano, como casas árabes e italianas, além de diferentes tendências no comportamento desse universo considerando-se o saldo dos cinco anos de estudo.

Em 2012, por exemplo, 48% dos entrevistados costumavam ir a restaurantes japoneses. Ao longo do tempo, essa taxa chegou a crescer 20 pontos percentuais e hoje oscila para 66%. Por outro lado, no mesmo período, o hábito de ir a churrascarias e restaurantes especializados em comida brasileira caiu 10 e nove pontos, respectivamente.

O que não mudou, no entanto, é a frequência a pizzarias, costume mantido há cinco anos por cerca de 85% desses paulistanos de classe A/B.

Em relação aos estabelecimentos citados, a quantidade de menções reflete o grau da diversidade. Além do grande número de nomes que aparecem com 1% ou mais, há elevado índice de bares e restaurantes que também são lembrados pelos entrevistados mas que, no total da amostra, não alcançam esse patamar.

Entre os mais citados ao longo do tempo, há tanto locais tradicionais, que se firmam no imaginário dos frequentadores, inclusive entre os mais jovens (menções ao Terraço Itália ocorrem especialmente entre os que têm de 18 a 25 anos), como também surgem novos players de importante alcance.

Destaques para Coco Bambu que em 2012 nem aparecia na pesquisa e que agora disputa com nomes como D.O.M., Figueira Rubaiyat e Fasano a liderança do ranking de melhor restaurante da cidade.

Folhapress
Datafolha - frequentadores de restaurantes
Datafolha - frequentadores de restaurantes
Publicidade
Publicidade

Últimas

  1. 24/06/2017
    1. Frank Bar, de carta de drinques esmerada, é eleito o melhor bar da cidade de SP

      Se você, bebedor, virasse nome de bar, como iria querer o serviço ali? E se você fosse Frank Sinatra, que fez sua paixão pelo copo ficar tão famosa quanto sua voz e seus olhos azuis? (Ele foi enterrado com uma garrafa de Jack Daniel's, diz a lenda.) Talvez não seja ousadia demais supor que, se voltasse para uma última dose no Frank Bar —que, aliás, ostenta sua assinatura em um luminoso ao fundo—, o cantor se sentiria em casa.

    2. Hambúrguer do Z Deli, de carne suculenta e avermelhada, é eleito o melhor de São Paulo

      Só um número ímpar de bancos no balcão e a solidão driblam as filas eternas no Z Deli de Pinheiros aos finais de semana. A espera, aliás, é um dos dois poréns das duas unidades da casa. Enfim, a melhor hamburgueria de São Paulo não decepciona.

    3. Treze opções para encomendar comidinhas artesanais; veja seleção

      Preparados artesanalmente, pães de fermentação natural, massas caseiras, geleias e até mesmo produtos fermentados, como kombuchas e conservas, estão entre os alimentos que podem ser encomendados na cidade. Saiba como pedir esses quitutes.

    4. Confira receita do pão de tomate, criação da chef Heloisa Bacellar

      Para fazer o pão de tomate, parmesão e azeitonas da chef Heloisa Bacellar, do restaurante Lá da Venda, bastam 40 minutos e poucos ingredientes. Confira receita abaixo.

    5. Kibon é a marca de sorvete favorita dos paulistanos que cozinham, aponta pesquisa Datafolha

      Muita gente deve se lembrar dos carrinhos amarelos e azuis de picolés que circulavam por aí antigamente.

    6. 'Gourmetizando' produtos, Matte Leão é o chá preferido dos paulistanos que cozinham

      Foi no calor das praias cariocas que o Matte Leão conquistou seu lugar ao sol. Em meados dos anos 1950, a empresa paranaense que originalmente industrializava erva-mate para a fabricação do tradicional chimarrão viu que o tipão da vez para os jovens da década era o chá mate gelado —ou "geladão", como dizem os ambulantes do Leme ao Pontal.

    7. Aprenda a fazer o bolo de figo e nozes da chef Heloísa Bacellar

      Veja a seguir a receita de bolo de figo e nozes de Heloísa Bacellar, chef do Lá da Venda. O tempo de preparo é de duas horas, sendo outras quatro para o repouso dos figos. Rende seis porções.

    8. Jean Ponce, do Guarita Bar, ensina a preparar o drinque Raizz

      O bartender Jean Ponce, do Guarita Bar, ensina a preparar o drinque autoral Raizz. Veja o passo a passo:

    9. Confira a receita de afogado de carne, prato com sabor e 'sustança' para o dia todo

      Aprenda a fazer com a chef Heloisa Bacellar, do Lá da Venda, um afogado de carne no capricho. Serve seis porções, leva três horas para fazer, além de mais 12 horas na geladeira.

    10. Com receitas que 'vão com tudo', Pullman é a marca de pão queridinha em São Paulo

      A manteiga derrete na fatia grossa, fofinha, com aquela casca gostosa, ainda com os resquícios da farinha. Parece que acabou de sair do forno. Mas veio do pacote mesmo.

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. 4
  5. 5
Publicidade