Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
24/10/2012 - 03h30

Editorial: Por dentro do euro

Desde a eclosão da crise na zona do euro em 2010, quando o governo socialista da Grécia anunciou que caminhava para a insolvência, autoridades da Europa se debatem com a necessidade de reforçar a confiança na moeda única.

É tarefa de grande complexidade, no contexto de recessão e tensão social nos países periféricos da eurozona. É também natural, pelo grau de entropia na negociação entre 17 governos com contas a prestar para os respectivos eleitorados, que os mercados especulem sobre cenários --incluindo o de ruptura da zona do euro, com a ejeção de um ou mais de seus membros.

Nos últimos meses, felizmente, surgiu certo grau de convergência no diagnóstico de que a moeda única é uma construção incompleta, que engendra fragilidades para todos que a utilizam. Perde terreno a visão de que os problemas decorrem da suposta irresponsabilidade meridional, da compulsão para consumir mais do que se produz.

O euro só será sustentável no longo prazo se os países membros aceitarem partilhar mais os recursos arrecadados localmente, de modo a criar um fundo comum poderoso o suficiente para socorrer economias em estado de choque.

Também parece não haver mais objeção relevante a uma autoridade bancária continental, com poderes para liquidar e reorganizar bancos sem distinção de fronteiras. Por fim, é necessário que o Banco Central Europeu (BCE) atue como emprestador de última instância para os governos, algo que sua direção já se disse pronta a fazer.

Apesar dos avanços, os riscos ainda persistem, pois há um legado de dívidas. Daí decorre a principal insegurança: é plausível que a recessão e o desemprego levem as populações atingidas a renegar os programas de ajuste e, com isso, a inviabilizar o socorro do BCE.

Nesse caso extremo, seria inevitável o país em questão deixar a zona do euro. Provavelmente a míngua de financiamento levaria a controles sobre a fuga de capitais e à substituição do euro por uma moeda nacional.

Durante os últimos dois anos, a Grécia foi a principal candidata a inaugurar essa rota. Os europeus parecem agora convencidos da necessidade de evitar tal caminho, pois qualquer defecção na zona do euro, no estágio atual, convidaria o mercado a especular sobre qual seria o próximo país a cair.

Todos os agentes públicos e privados do mundo têm contas a pagar e a receber em várias moedas. Inserir o risco de que créditos e débitos em euros passem a ser denominados em moedas nacionais desvalorizadas paralisaria os mercados e deprimiria a economia no mundo como um todo.

Em resumo, o cenário mais provável é de manutenção do euro. Para isso, é crucial haver financiamento suficiente para evitar o caos social, em particular na Grécia.

 

Publicidade

As Últimas que Você não Leu

  1.  

Publicidade

Livraria da Folha

Um País Partido

Um País Partido

Marco Antonio Villa

Comprar
Tudo o que Eu vi e Vivi

Tudo o que Eu vi e Vivi

Rosane Malta

Comprar
As Ideias Conservadoras

As Ideias Conservadoras

João Pereira Coutinho

Comprar
Pensadores da Nova Esquerda

Pensadores da Nova Esquerda

Roger Scruton

Comprar
O Fim do Brasil

O Fim do Brasil

Felipe Miranda

Comprar

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Smart TV Smart TV Diversas ofertas a partir de R$ 856,11

Notebook Notebook Trabalhe, estude, jogue, a partir de R$ 769,00

Celulares | Tênis | Mais...

Voltar ao topo da página