Saltar para o conteúdo principal Saltar para o menu

Editorial: Tranquilizante cambial

Publicidade

O Banco Central tomou a providência pragmática e equilibrada de oferecer a instituições financeiras --e, indiretamente, a empresas-- um plano de financiamento de emergências cambiais.

Isto é, anunciou um alentado programa de oferta de instrumentos financeiros (swap cambial) e de empréstimos em dólar até dezembro. Desse modo, criou condições para ao menos atenuar os surtos de especulação que vinham tornando ainda mais daninha e perigosa a escalada da moeda americana.

A decisão é ponderada porque não procura controlar a tendência de alta do dólar em relação ao real, derivada de fatores que não estão sob controle do Banco Central: primeiro, a mudança da política econômica nos Estados Unidos e a decorrente alta das taxas de juros naquele país; segundo, o crescente deficit externo brasileiro, a diferença entre as exportações e importações de bens e serviços.

Mas o Banco Central não poderia permanecer indiferente aos riscos potenciais da rápida desvalorização do real. A alta do dólar cria dificuldades para empresas com dívida externa, para citar apenas o problema mais elementar.

O receio de um enfraquecimento acelerado do real tende a provocar um aumento da procura de proteção cambial e de dólares. Essa situação oferece campo de manobra para a especulação com moedas, o que impulsiona outra vez o ciclo de desvalorização. Trata-se de círculo vicioso que poderia desencadear corrida irracional de procura por dólares e mesmo pânico.

Ao oferecer um fluxo regular de recursos em dólar, o BC contribui para que empresas e instituições financeiras atravessem esse período de transição com menos contratempos, desestimulando especulação e variações ruinosas da taxa de câmbio no curtíssimo prazo.

É muito improvável, porém, que o dólar deixe de se valorizar. O ajuste da política monetária americana não começou. Nem nos EUA há clareza sobre o destino das taxas de juros, às quais por ora anda atrelado o valor do real.

Além do mais, a taxa de câmbio no Brasil depende de indicadores concretos --como inflação, atividade econômica e gasto do governo-- e de expectativas que variam de acordo com o nível de racionalidade da comunicação e das políticas do governo.

Ainda assim, a providência do Banco Central contribui para serenar os ânimos e atenuar receios de descontrole no câmbio, que poderiam erodir ainda mais a confiança dos agentes econômicos.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Siga a folha

Publicidade Política e Poder

Envie sua notícia

Publicidade

Livraria da Folha

Prestes
Daniel Aarão Reis
De:
Por:
Comprar
Aparecida
Rodrigo Alvarez
De:
Por:
Comprar
Box - As Eras
Eric Hobsbawm
De:
Por:
Comprar
O Fim do Brasil
Felipe Miranda
De:
Por:
Comprar
Publicidade
Publicidade

Folha Shop

Geladeiras Geladeiras Frost Free, Duplex, a partir de R$ 862,20

Notebook Notebook Trabalhe, estude, jogue, a partir de R$ 769,00

Celulares | Tênis | Mais...

Voltar ao topo da página