Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
12/06/2012 - 22h38

Marilena Chaui liga reitor da USP à ditadura militar e critica ação da PM

Publicidade

BERNARDO MELLO FRANCO
DE SÃO PAULO

Em ato pela criação de uma Comissão da Verdade na USP (Universidade de São Paulo), a filósofa Marilena Chaui atacou nesta terça-feira (12) o reitor João Grandino Rodas e a ocupação do campus pela Polícia Militar no fim de 2011.

Professora aposentada do Departamento de Filosofia, ela afirmou que o reitor foi formado "no caldo de cultura" da ditadura militar (1964-1985) e criticou indiretamente o governo Geraldo Alckmin (PSDB), a quem a universidade é subordinada.

"Há uma hegemonia no Estado de São Paulo de um pensamento privatista e neoliberal, a USP está sendo regida por esses princípios por este reitor", afirmou.

"Este reitor foi formado, teve o aprendizado como dirigente, nesse caldo de cultura da ditadura. Essa forma de gestão explica essa coisa inacreditável. Isso nem a ditadura fez: pôr a polícia dentro do campus para espancar os alunos."

Rodas também foi criticado em discursos de representantes do DCE (Diretório Central dos Estudantes). Ele autorizou a ação da PM em convênio firmado após casos de assaltos na Cidade Universitária.

MANIFESTAÇÃO

O ato, num auditório da Faculdade de Economia e Administração, reuniu cerca de 500 pessoas para pedir a investigação de crimes da ditadura contra professores e alunos da USP.

Segundo os organizadores, 40 militantes de esquerda mortos ou desaparecidos durante regime eram ligados à universidade.

Integram a lista a estudante de psicologia Iara Iavelberg, morta em 1971; o estudante de geologia Alexandre Vannuchi Leme, morto em 1973; e a professora de química Ana Rosa Kucinski, desaparecida em 1974.

Além de Marilena Chaui, discursaram a favor da comissão a professora de psicologia Vera Paiva, filha do ex-deputado e desaparecido político Rubens Paiva (1929-1971), e o professor aposentado de economia Paul Singer.

Uma faixa do Sintusp, o sindicato dos funcionários da universidade, pedia punição aos acusados de matar e torturar na ditadura.

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página