Saltar para o conteúdo principal Saltar para o menu
Publicidade

Corregedoria mira bens de 11 servidores em apuração sobre cartel

Mais opções
  • Enviar por e-mail
  • Copiar url curta
  • Imprimir
  • Comunicar erros
  • Maior | Menor
  • RSS
Publicidade

Investigação da Corregedoria do governo Geraldo Alckmin (PSDB) levantou suspeitas sobre o patrimônio de 11 funcionários do Metrô e da CPTM e recomendou o afastamento deles de cargos de confiança. Todos têm ligações com contratos e licitações que estão sob suspeita.

Dos 11 investigados, apenas o diretor de operações da CPTM, José Luiz Lavorente, foi mantido no cargo. O jornal "O Estado de S. Paulo" revelou ontem os nomes de investigados.

A Corregedoria-Geral da Administração estadual, responsável pela investigação da conduta de servidores, iniciou as apurações após a Siemens ter feito delação ao Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica), um órgão federal, em maio.

A multinacional contou que ela e outras companhias formaram um cartel para fraudar licitações de trens em São Paulo entre 1998 e 2008, durante os governos de Mário Covas, José Serra e Geraldo Alckmin, todos do PSDB.

A Corregedoria estadual já analisou declarações de Imposto de Renda e elaborou análises financeiras e contábeis sobre o patrimônio de mais de 30 pessoas. A investigação sobre 11 delas ganhou prioridade após a verificação de patrimônios incompatíveis com suas rendas e omissão sobre posse de bens ao cumprir a obrigação legal de informar suas propriedades ao governo, entre outros problemas.

A Folha revelou no último dia 26 que três dos 11 investigados são proprietários de postos de gasolina, um tipo de negócio que é propício à lavagem de dinheiro porque envolve muito dinheiro vivo e vendas em valores variados.

Nelson Scaglione e Ivan Generoso são donos de um posto de gasolina na zona sul de São Paulo.

Laércio Mauro Biazotti é sócio de um posto com Milena Zaniboni e Aristides Aguiar de Andrade.

O pai de Milena, José Roberto Zaniboni, foi diretor da CPTM e acabou indiciado pela Polícia Federal por causa do recebimento de US$ 836 mil (cerca de R$ 2 milhões hoje) na Suíça, entre 1999 e 2003, do consultor Arthur Teixeira.

O posto foi aberto em 2002. A suspeita da PF é que o dinheiro recebido no exterior tenha sido propina paga pela Alstom para conquistar um contrato da CPTM. De acordo com a Corregedoria, as recomendações de afastamento têm caráter preventivo e as apurações ainda não foram concluídas.

A CPTM diz que "Lavorente não foi afastado do cargo tendo em vista que sua situação, salvo melhor juízo, foi devidamente esclarecida". Os advogados dos envolvidos negam a prática de crimes.

Mais opções
  • Enviar por e-mail
  • Copiar url curta
  • Imprimir
  • Comunicar erros
  • Maior | Menor
  • RSS

Livraria da Folha

Publicidade
Publicidade

Envie sua notícia

Siga a folha

Publicidade

+ Livraria

Livraria da Folha

O Mito do Governo Grátis
Paulo Rabello de Castro
De:
Por:
Comprar
Pizzolato
Fernanda Odilla
De:
Por:
Comprar
Assassinato de Reputações
Claudio Tognolli e Romeu Tuma Jr
De:
Por:
Comprar
Publicidade
Publicidade

Folha Shop

Smart TV Smart TV Diversas ofertas a partir de R$ 856,11

Notebook Notebook Trabalhe, estude, jogue, a partir de R$ 769,00

Celulares | Tênis | Mais...

Voltar ao topo da página