Saltar para o conteúdo principal Saltar para o menu

Réu do mensalão tucano abandona contrato com PSDB

Publicidade

A empresa Pensar Comunicação Planejada pediu nesta quarta-feira (12) o encerramento do contrato que mantém com o PSDB desde 2009.

O pedido veio após reportagem da Folha revelar que a empresa tem como um de seus sócios o jornalista Eduardo Guedes, réu no processo do mensalão tucano.

A Pensar tem como um de seus sócios o jornalista Eduardo Guedes, réu no processo do mensalão tucano, que presta serviços de comunicação ao presidente do partido, senador Aécio Neves (PSDB-MG).

Em carta enviada ao comando nacional do PSDB, o presidente da empresa, Ivan Manso Guedes, diz que o rompimento do contrato tem como objetivo evitar "constrangimentos" à direção tucana.

"A nossa decisão decorre da constatação das notórias tentativas de utilizar fato ocorrido há 15 anos atrás, em Minas Gerais, ainda sob o exame da justiça –portanto sem nenhuma conclusão– que envolve como acusado um dos nossos prestadores de serviços, o jornalista Eduardo Guedes, com claro intuito de criar indevidas suspeições e injustos constrangimentos à direção do partido", diz a carta.

Ivan Guedes também diz que Eduardo Guedes, que é seu irmão, "aguarda a oportunidade de apresentar sua defesa" e está confiante de que será absolvido. O jornalista atua nos bastidores e na etapa inicial da campanha presidencial de Aécio como um de seus mais próximos conselheiros.

Ontem, a assessoria do presidenciável mineiro disse que não há decisão judicial contra o jornalista e acrescentou que ele presta serviços para o PSDB desde 2009, antes, portanto, de Aécio assumir a presidência da sigla.

ACUSAÇÃO

Na peça em que pede a condenação do ex-governador de Minas e atual deputado Eduardo Azeredo (PSDB) a 22 anos de prisão, a Procuradoria Geral da República diz que Guedes determinou à Copasa, a Cemig e ao Bemge, órgãos estaduais, que dessem R$ 3,5 milhões (R$ 9 milhões nos valores de hoje) a SMP&B para patrocínio de evento esportivo.

À época, ele era secretário-adjunto de Comunicação do governo mineiro. O valor, segundo a Procuradoria, acabou sendo desviado para alimentar a campanha à reeleição de Azeredo ao governo de Minas Gerais em 1998. O ex-governador nega participação nos desvios.

Segundo a Procuradoria, o esquema foi operado pelo empresário Marcos Valério Fernandes de Souza, da SMP&B, que fez empréstimos fraudulentos para dificultar a identificação dos recursos públicos desviados. Esquema semelhante foi usado por Valério, anos depois, no mensalão do PT, que resultou em sua condenação pelo STF e posterior prisão em 2013 na Papuda, em Brasília

Livraria da Folha

Publicidade
Publicidade

Envie sua notícia

Siga a folha

Publicidade

+ Livraria

Livraria da Folha

Publicidade
Publicidade

Folha Shop

TV Smart TV Smart HDMI, LED, Full HD a partir de R$ 999,99

Refrigerador Refrigerador Side By Side, Duplex, Frost Free a partir de R$ 849,00

Home Theater | Tênis | Mais...

Voltar ao topo da página