Saltar para o conteúdo principal Saltar para o menu
Publicidade
Eleições 2014

PSOL lança Randolfe a presidente e diz que não aceitará dinheiro de empresas

Mais opções
  • Enviar por e-mail
  • Copiar url curta
  • Imprimir
  • Comunicar erros
  • Maior | Menor
  • RSS
Publicidade

O senador Randolfe Rodrigues (PSOL-AP) disse que não aceitará contribuições de empresas para sua campanha à Presidência. Ele foi lançado oficialmente como pré-candidato do partido em um ato realizado no final da tarde desta segunda-feira (24), no centro de São Paulo.

"Não há nada mais promíscuo do que o sistema de financiamento eleitoral", disse o senador durante a apresentação de sua chapa. Ele terá como vice a ex-deputada Luciana Genro (RS).

A ideia do partido é financiar a candidatura através de doações de pessoas físicas e verbas recebidas através do fundo partidário. Nas duas últimas eleições a presidente, os candidatos do PSOL não tinham se comprometido a não aceitar dinheiro de empresas.

Apesar de não ter uma estimativa de quanto pretende arrecadar, ele disse que será menos que seus adversários. Em tom de brincadeira, chegou a pedir contribuição aos jornalistas presentes. "Qualquer um real será bemvindo".

Marlene Bergamo/Folhapress
Randolfe Rodrigues ao lado da candidata a vice-presidente de sua chapa, Luciana Genro
Randolfe Rodrigues ao lado da candidata a vice-presidente de sua chapa, Luciana Genro

Randolfe e a bancada do PSOL na Câmara pretendem se encontrar em breve com o ministro Teori Zavascki, do STF. O tribunal começou em dezembro a julgar se candidatos podem ou não receber dinheiro de pessoas jurídicas.

Zavascki pediu vista ao processos quando o placar marcava quatro votos contra as doações de empresas. Ainda não há data para o assunto voltar a pauta.

Segundo Randolfe, eles querem que o STF proíba esse tipo de financiamento já nas eleições deste ano.

Além dos dois pré-candidatos, também estavam presentes os principais nomes do partido, como os deputados federais Jean Willys (RJ), Chico Alencar (RJ) e Ivan Valente (SP), o deputado estadual Marcelo Freixo (RJ) e o prefeito de Macapá, Clécio Luís.

PROTESTOS

Durante o encontro, Randolfe e Luciana Genro defenderam o direito as manifestações, mas criticaram a violência nos atos. "O que rejeitamos é a violência policial e de alguns grupos isolados", disse ela, que criticou os "métodos black blocs".

Segundo o senador, o PSOL "nasceu das manifestações" e que quer "organizar a indignação" das ruas. "Nós vamos torcer pelo Brasil na Copa e nas manifestações", comentou.

Randolfe criticou ainda a atuação da Polícia Militar durante o protesto contra a Copa do Mundo, realizado no último sábado (22) em São Paulo, no qual 260 pessoas foram detidas.

"Quer dizer que 20% dos manifestantes foram detidos? Isso é fascismo, é tentar inibir o direito a manifestação contra a Copa", disse.

Mais opções
  • Enviar por e-mail
  • Copiar url curta
  • Imprimir
  • Comunicar erros
  • Maior | Menor
  • RSS

Livraria da Folha

Publicidade
Publicidade

Envie sua notícia

Siga a folha

Publicidade

+ Livraria

Livraria da Folha

Prestes
Daniel Aarão Reis
De:
Por:
Comprar
O Mito do Governo Grátis
Paulo Rabello de Castro
De:
Por:
Comprar
Eleição 2014
Publicidade
Publicidade

Folha Shop

Smart TV Smart TV Diversas ofertas a partir de R$ 856,11

Notebook Notebook Trabalhe, estude, jogue, a partir de R$ 769,00

Celulares | Tênis | Mais...

Voltar ao topo da página