Saltar para o conteúdo principal Saltar para o menu
A Copa Como Ela É

Análise: O inominável ocorrido cai como uma bomba no colo dos políticos

Publicidade

O inominável ocorrido em Belo Horizonte caiu como uma bomba no colo dos políticos que, mesmo a uma semana do fim do torneio, ainda ensaiavam como lidar com a Copa em casa em pleno ano de eleição presidencial.

Não por acaso houve a submersão dos candidatos, denunciada por algumas bolhas, como as emitidas no Twitter por Dilma Rousseff.

O governo federal, como anfitrião e hospedeiro de um evento privado, naturalmente é o que mais tem a perder com o desastre do Mineirão.

Se é verdade que desempenho em Copa nunca afetou resultado de eleição, Fernando Henrique Cardoso sob o baile tomado na França em 1998 que o diga, também é igualmente correto pensar que nunca fomos tão humilhados –e, ainda mais inédito, em solo pátrio.

De forma mais ampla, claro que 2014 não é 1950, ainda que esportivamente a tragédia hoje seja maior. Há 64 anos vivia-se uma era mais inocente, em que a formação do caráter nacional cabia mais nos moldes da "pátria de chuteiras".

Ao longo do jogo, o simulacro de identidade que vemos em ebulição nas redes sociais já estava em modo de deboche –com piadas como o "É hexa" celebrado no sexto gol teutônico. Não é mais imaginável uma tragédia nos moldes do Maracanazo, embora não se saiba a extensão do mau humor nacional.

A desgraça para os estrategistas de Dilma é que o tempo é curtíssimo para apoiar-se em pesquisas até a entrega da taça no domingo.

O oba-oba que a presidente havia abraçado, colocando no mesmo saco quem criticava superfaturamento de estádios e os que duvidavam da capacidade da seleção, tende a ser engavetado.

Uma defesa sóbria do evento, a torcida para que nada de errado aconteça fora dos estádios até domingo e a esperança de que o azedume seja dissipado na velocidade de um comentário de Facebook é um roteiro conservador que pode ser esperado.

Para a oposição, o abacaxi é um pouco menor. Sem saber se abraçavam ou não o evento, transitando entre críticas leves aos problemas e tímidas comemorações esportivas, Aécio Neves e Eduardo Campos agora tendem a lamentar o ocorrido, se fazer de mortos e esperar para ver a evolução do eleitorado.

Ao fim, a Copa trazida no auge da euforia da era Lula tornou-se um grande passivo para os políticos.

Em 2013, a dicotomia título na Copa das Confederações/erupção das ruas pegou governo e oposição de surpresa. Um ano depois, a debacle em campo ainda espera a resposta fora dele, para o pasmo da mesma classe política.

Livraria da Folha

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Envie sua notícia

Siga a folha

Publicidade

+ Livraria

Livraria da Folha

Prestes
Daniel Aarão Reis
De:
Por:
Comprar
As Ideias Conservadoras
João Pereira Coutinho
De:
Por:
Comprar
Para Entender O Capital
David Harvey
De:
Por:
Comprar
Reinventando o Capitalismo de Estado
Sergio G. Lazzarini e Algo Musacchio
De:
Por:
Comprar
O Ódio à Democracia
Jacques Rancière
De:
Por:
Comprar
Para Inglês Ver
Publicidade
Publicidade

Folha Shop

Geladeiras Geladeiras Frost Free, Duplex, a partir de R$ 862,20

Notebook Notebook Trabalhe, estude, jogue, a partir de R$ 769,00

Celulares | Tênis | Mais...

Voltar ao topo da página