Senador tucano admite ter recebido proposta de caixa dois da Odebrecht

Crédito: Marcus Leoni - 10.ago.2017/Folhapress SAO PAULO, SP, BRASIL, 10.08.17 20h30 Cassio Cunha Lima (senador). Athie Wohnrath, lanca seu terceiro, seguido de debate com o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, o cineasta e escritor Arnaldo Jabor e o jornalista Carlos Sardenberg.(Foto: Marcus Leoni / Folhapress, MONICA BERGAMO)
O senador Cássio Cunha Lima (PSDB-PB) durante evento em São Paulo

RUBENS VALENTE
REYNALDO TUROLLO JR.
DE BRASÍLIA

O senador Cássio Cunha Lima (PSDB-PB), primeiro-vice-presidente do Senado, reconheceu em depoimento prestado à Polícia Federal que ouviu a proposta de um executivo da empreiteira Odebrecht para que recebesse dinheiro em esquema de caixa dois para sua campanha ao governo da Paraíba, em 2014. O parlamentar disse que recusou a oferta.

Não há registro nos discursos de Cunha Lima no Senado de que ele tenha feito denúncia sobre a proposta. Da mesma forma, o parlamentar não procurou a PF ou os órgãos de controle para alertar o que havia ocorrido em seu gabinete no Senado.

A afirmação do senador à PF contradiz os depoimentos de delatores da Odebrecht e o resultado de análise técnica feita pela PGR (Procuradoria-Geral da República) no Drousys, um sistema de comunicação criado pela empreiteira para o "departamento de propina" da companhia, o Setor de Operações Estruturadas.

Os arquivos do Drousys estavam em um servidor em Estocolmo, na Suécia, e foram entregues pela Odebrecht como parte do seu acordo de delação premiada fechado com a PGR.

Segundo o relatório da PGR, planilhas do Drousys encontradas em anexo de e-mails enviados em 2014 "corroboram as afirmações do executivo da Odebrecht Alexandre José Lopes Barradas, que revelou o pagamento de R$ 800 mil nas eleições de 2014, via caixa dois, em favor de Cássio Cunha Lima". Segundo Barradas, o parlamentar foi identificado pelos codinomes "Trovador" e "Prosador".

Em sua delação, o presidente da Odebrecht Ambiental na época, Fernando Reis, afirmou que a empresa resolveu ajudar a campanha de Cunha Lima porque havia apresentado ao governo da Paraíba uma proposta de parceria público-privada para um projeto de esgotamento sanitário na região da Grande João Pessoa (PB), mas o então governador, Ricardo Coutinho (PSB), ex-aliado de Cunha Lima, "não deu andamento" ao projeto.

Segundo o executivo, Barradas acreditava que o senador paraibano "poderia ter uma opinião mais favorável à participação privada no setor de saneamento do Estado da Paraíba".

'PREOCUPAÇÃO'

O depoimento do senador foi dado em junho. O senador disse que, após pedido de ajuda para a sua campanha, Barradas apareceu para dizer que havia recebido autorização para fazer a doação. "Entretanto, Barradas informou que somente poderia fazer uma doação eleitoral para a campanha do declarante [Lima] de forma não oficial", disse o senador à PF.

Cunha Lima afirmou que "reagiu imediatamente à proposta", dizendo "que não poderia aceitar doação eleitoral não contabilizada". O senador argumentou que a tratativa parou por ali e que sua campanha recebeu R$ 200 mil do grupo Odebrecht, mas oficialmente e por meio do braço petroquímico da companhia, a Braskem.

No seu depoimento, Barradas disse que esteve com Cunha Lima para "tratar de assuntos relacionados ao processo de manifestação de interesse que a Odebrecht Ambiental havia pedido ao governador" Coutinho.

Barradas disse que o senador de fato "demonstrou incômodo e preocupação" com a sugestão do caixa dois, mas que, como "estava precisando, aceitou receber os valores não contabilizados".

Segundo Barradas, o senador apresentou um assessor chamado Luiz como a pessoa que iria intermediar o recebimento. Barradas disse que operacionalizou o pagamento dos R$ 800 mil, em duas parcelas, entregues em espécie em "um hotel na periferia de Brasília". A PF agora quer saber quem era Luiz.

OUTRO LADO

O senador Cássio Cunha Lima (PSDB-PB) disse à Folha que o caixa dois em eleições "fez parte da cultura política brasileira" e que tomou a atitude "correta, que lhe cabia, que foi recusar" a proposta feita pelo executivo da construtora Odebrecht.

Indagado sobre não ter levado o assunto à tribuna do Senado, Cunha Lima afirmou: "Ele apenas disse que faria a doação por caixa dois e, sejamos sinceros, a doação de caixa dois fez parte da cultura política brasileira, a imprensa sabia disso, o Ministério Público sabia disso, o país inteiro sabia. Em boa hora passou a ser criminalizada".

"Queria deixar registrado que o delator disse que eu fui o único a resistir ao caixa dois. Eu não pedi, resisti e não recebi."

No seu depoimento, Alexandre Barradas disse que a princípio Cunha Lima recusou, mas depois aceitou a doação em caixa dois.

O senador disse que há inconsistências no relato de Barradas. "Ele fala que entregou o dinheiro a um tal de 'Luiz', que ninguém acha. E num hotel que ele não lembra qual foi. Como é que você faz a entrega de um valor expressivo desses num local que foi combinado e não lembra o hotel que foi?"

Em nota, a Odebrecht disse que "reforça a consistência e plenitude de sua colaboração com a Justiça no Brasil e nos países em que atua e está empenhada em ajudar as autoridades a esclarecer qualquer dúvida".

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.