Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
01/05/2011 - 10h05

Universidades de São Paulo tornam inglês língua 'oficial'

Publicidade

JULIANA COISSI
DE RIBEIRÃO PRETO

Aulas ou seminários em inglês, sem tradução, em diferentes áreas do ensino universitário --como agronegócio, química e odontologia.

O cenário poderia ser uma universidade dos EUA ou da Europa, mas não é.

Instituições do interior do Estado de São Paulo têm ampliado suas ofertas com língua estrangeira. O objetivo é enriquecer o currículo dos alunos e prepará-los para o mercado de trabalho.

Na FEA (Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade), da USP de Ribeirão Preto (313 km de São Paulo), a disciplina agrobusiness é um dos exemplos. Até o professor Marcos Fava Neves se surpreende com o resultado. "É um ambiente rico. Não sonhava ver isso tão cedo na USP", diz.

A aula atrai alunos outros cursos, como química e farmácia. A opinião dos "forasteiros" amplia o debate.

Silva Junior/Folhapress
Turma da FEA-USP de Ribeirão assiste à aula em inglês no instituto; universidades de SP tornam inglês língua 'oficial'
Turma da USP de Ribeirão assiste à aula em inglês no instituto; universidades de SP tornam inglês língua 'oficial'

"Na aula de agrobusiness, vimos que os estrangeiros têm uma visão mais protecionista das coisas deles e preocupada com a sustentabilidade", afirma Fava Neves.

Há até turmas com predomínio de estrangeiros. É o caso da aula de gerência e promoções de vendas, também da administração.

Única brasileira, Marcela Zucherato, 23, convive com colegas de culturas bem distintas, como Teemy Nyyssonen, 23, da Finlândia, e Juan Ortiz, 21, da Colômbia.

No curso de relações internacionais da Unesp (Universidade Estadual Paulista) de Franca, os alunos se preparam o ano inteiro para simular um congresso da ONU.

Eles se tornam delegados de países. Algumas das "rodadas de negociações" são em inglês. "A experiência ajuda não só a dominar a língua mas a aprender a negociar", diz o professor Marcelo Passini Mariano, coordenador do Gepezoi, grupo que organiza as simulações.

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página