Saltar para o conteúdo principal Saltar para o menu
Publicidade

Serafina

Serafina reúne pais e filhos músicos em ensaio fotográfico

Mais opções
  • Enviar por e-mail
  • Copiar url curta
  • Imprimir
  • Comunicar erros
  • Maior | Menor
  • RSS

Serafina reuniu em um ensaio fotográfico músicos de diferentes gerações e estilos para posar ao lado de suas maiores influências ocultas (ou não): seus pais

TULIPA, GUSTAVO RUIZ E LUIZ CHAGAS
Luiz Chagas, 63, fazia parte do grupo que acompanhava Itamar Assumpção (1949-2003), o Isca de Polícia. Eram outros tempos, em que eles eram "os marginais com 'money zero' da indústria", enquanto agora "nem indústria existe mais". Os filhos músicos Tulipa, 36, e Gustavo Ruiz, 35, vivem essa nova realidade. "Fui fumar numa festa e encontrei um pessoal com metade da minha idade. Estava todo mundo falando de negócios", conta Luiz Chagas. Na minha época, falar de negócios era coisa de pai."

SUPLA E MARTA SUPLICY
Os pais de Supla, 49, tiveram um faniquito quando o garoto de 13 anos entrou em casa com cabelo cor de gema de ovo e espetado para o alto. Eduardo, 74, e Marta, 70, se perguntaram: "Isso sai?" Nunca saiu. O cantor lembra que a mãe era "a assertiva" e que o pai lhe deu "uma única e bem dada palmada" por ser malcriado com Marta. A senadora tem fama de dura na queda, mas amolece quando o primogênito lhe mostra a canção que compôs para ela. "Não encontrei mulher tão bela", diz um verso da balada.

NASI E AIRTON VALADÃO
Airton Valadão, 80, que já foi gerente de indústria farmacêutica e assistente jurídico de imobiliária, gosta muito de música clássica. O filho prefere rock. Para esta foto, Nasi, 43, vocalista da banda Ira!, montou um "look mafioso", para seu pai, que mora em Minas. A mãe, dona Egya, chegou a quebrar um disco do filho durante uma bronca. "O menino colocava Ramones no último volume", justifica o marido. Em 2012, após uma série de brigas judiciais, Nasi, ex-viciado em drogas, fez as pazes com o pai e o irmão Júnior. Estavam havia cinco anos sem se falar.

JOÃO DONATO E DONATINHO
João Donato, 80, diz que aprendeu muito com o filho Donatinho, 30, músico que nem ele. "As coisas de que ele gostava eu passei a gostar. Spice Girls era bom, muito bom." O pai lembra da época em que o filho era aficionado do jogo de video game "Dragon Warrior" e queria ser porteiro quando crescesse. Espichou e virou "o Darth Vader", brinca João -de boné, camisa estampada e tênis fosforescente de corrida- sobre Joãozinho e sua jaqueta com painel de LED acoplado. Donatão & Donatinho planejam um álbum juntos. O pai sabe que o filho "curte uma eletricidade". E está tão elétrico quanto.

PEDRO BABY, BABY DO BRASIL E PEPEU GOMES
Pepeu Gomes, 63, e Baby do Brasil, 63, chamaram de Pedro Baby, 37, o primeiro filho homem. Vá lá, nome até convencional para a família completa pelas irmãs Riroca, Zabelê e Nana Shara e pelos irmãos Krishna Baby e Kriptus Baby. Quando o filho tinha cinco anos, o casal foi barrado na Disneylândia. Seus cabelos multicolores eram extravagantes demais, e ninguém podia tirar o brilho de Mickey e cia., decidiu a administração do parque na Califórnia. Mas Pedro acabou crescendo "um cara muito centrado", diz Pepeu.

ADRIANO CINTRA E JOSÉ OSCAR
Adriano Cintra, 41, vai colher o que plantou. O músico, que rodou o mundo com o Cansei de Ser Sexy e deixou a banda em 2011, quer "pegar na enxada" e voltar para morar na chácara que José Oscar, 68, construiu em Bragança Paulista (SP) mais ou menos quando ele nasceu. O fazendeiro, que produz café orgânico no terreno, confessa que "ficava meio grilado" quando o garotinho virou o tatuadão cheio de piercings. "Só pra ter uma ideia, meu ídolo era o Frank Sinatra." "Meu pai é muito fechado", diz Adriano. "Quando fiz o piercing no nariz, ele nem me olhava."

TATI ZAQUI, HELOISA E JOSÉ FERREIRA
A MC Tati Zaqui, 21, tem cabelos azuis, 23 tatuagens e quatro piercings, inclusive um "lá embaixo". Seus pais, Heloísa, 57, e José Ferreira, 57, foram os primeiros a saber. Primeiros, mas não últimos: Tati aparece pelada na capa da revista "Playboy" de julho, lambendo uma dinamite. "A turma aqui não queria mostrar a revista pra mim", diz José. "Ela sempre foi assim, me desafiando em tudo", diz Heloísa, sem parecer incomodada com as peripécias da filha. O patriarca, apesar de ser mais chegado em sertanejo, aprendeu a gostar de funk. "Qual que é o pai que não gosta de ver a filha feliz?"

Mais opções
  • Enviar por e-mail
  • Copiar url curta
  • Imprimir
  • Comunicar erros
  • Maior | Menor
  • RSS

Livraria da Folha

Publicidade
Publicidade
Publicidade
[an error occurred while processing this directive]

Envie sua notícia

Siga a folha

Livraria da Folha

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Voltar ao topo da página