Saltar para o conteúdo principal Saltar para o menu
Publicidade

Serafina

Garçons de SP criam websérie sem patrocínio e ganham prêmio no Rio

Mais opções
  • Enviar por e-mail
  • Copiar url curta
  • Imprimir
  • Comunicar erros
  • Maior | Menor
  • RSS

Uma série criada "na guerrilha" por um grupo de garçons foi vencedora dos prêmios de Melhor Roteiro e Melhor Ator no Rio Webfest 2017. "#Brecha", dirigida por Geison Luz e Ana Maria Saad, foi um projeto elaborado ao longo de três anos e financiado por vaquinhas entre os 45 voluntários participantes da equipe.

"A história começou em 2014, no caixa do restaurante que eu trabalhava em SP. Como a maioria dos garçons de lá tinha algum envolvimento com arte, uns já eram atores profissionais, outros estudantes de atuação, cinema, fotografia, música e etc, a nossa afinidade foi imediata", diz Luz.

Abordando temas atuais como homossexualidade, abuso sexual e repressão religiosa, "#Brecha", segundo o diretor, tem o objetivo de quebrar tabus e promover o diálogo.

#brecha

"No dia que terminamos de filmar a cena de abuso, um dos figurantes tentou justificar a agressão dizendo que 'a menina estava bêbada e sozinha numa balada'. Foi a oportunidade que tivemos para conversar com ele sobre a gravidade do que ele não estava enxergando. Essa situação exemplifica muito bem o poder que o audiovisual tem de abrir o diálogo e promover transformação", explica.

A série é um dos projetos da ONG Pensamentos Filmados, liderada por Luz e Saad, que produz conteúdo audiovisual focado em minorias. Seu curta-metragem "Solo" (2009), que também tem a homossexualidade como tema, acumula mais de 4 milhões de visualizações no YouTube.

A ONG, segundo o diretor, já encaminhou mais de 200 pessoas com depressão para tratamento e ajudou a evitar mais de 40 casos de suicídio.

"Nós recebemos um e-mail de um rapaz dizendo que havia comprado uma arma pra se matar, mas que enquanto pesquisava sobre como fazer isso de forma eficaz, encontrou uma série de textos chamada 'Suicida Sobrevivente', escrito pela Ana Maria Saad. Ele disse que finalmente ele tinha entendido que aquilo que sentia não era frescura como muitos diziam, mas sim uma doença com tratamento e cura e que por isso havia desistido de se matar pra procurar tratamento", conta Geison.

Em 2018, "#Brecha" também fará parte da Seleção Oficial dos Webfests de Berlim e de Buenos Aires. Todos os episódios estão disponíveis no canal da série no YouTube.

Mais opções
  • Enviar por e-mail
  • Copiar url curta
  • Imprimir
  • Comunicar erros
  • Maior | Menor
  • RSS

Livraria da Folha

Publicidade
Publicidade
Publicidade
[an error occurred while processing this directive]

Envie sua notícia

Siga a folha

Livraria da Folha

Publicidade
Publicidade
Voltar ao topo da página